21 de junho de 2021Informação, independência e credibilidade
Esportes

Seleção enfrenta Paraguai após saída de Caboclo e com manifesto contra Copa América em mãos

Conmebol e a CBF temem que a polarização política afete da Copa América, uma batalha política do presidente Jair Bolsonaro

A escolha do Brasil como sede da Copa América inflamou os ânimos da comissão técnica e jogadores da seleção brasileira. Mas, aparentemente, o problema não seria a realização da disputa dos jogos no Brasil (em cima da hora) durante a pandemia, mas como a situação foi colocada.

E com a saída do então presidente da CBF, Rogério Caboclo, o jogo de hoje, contra o Paraguai será como um capítulo final de uma temporada muito conturbada. Mais do que o duelo, em si, pelas Eliminatórias, o estádio Defensores Del Chaco, em Assunção, será o palco para o desfecho de um enredo intenso, ambientado no núcleo mais profundo da delegação do técnico Tite.

Leia mais: CBF, Recheada de dinheiro e de caboclos flagrados na corrupção
Aliado de Bolsonaro, Caboclo é afastado da CBF e situação da Copa América pode mudar

O Brasil visita o Paraguai  em Assunção, em partida válida pela oitava rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022. O jogo entre Paraguai x Brasil acontece às 21h30 (de Brasília) e terá transmissão ao vivo na TV aberta pela Globo e na TV fechada pelo SporTV.

Para depois do jogo, é aguardada a manifestação de protesto dos jogadores em relação à Copa América 2021. E uma nova temporada dessa série começará já na semana que vem, com o início da competição continental.

Boicotar a Copa América seria uma medida extrema, que, segundo relatos vindos do círculo da seleção, não chegou a ser sacramentada entre os jogadores. O mesmo vale para a hipótese de um pedido de demissão da comissão técnica.

É política

Mas Conmebol e a CBF temem que a polarização política afete a competição. Por isso, há uma avaliação de que é preciso reduzir a temperatura de política em torno do torneio.

Quando confirmou a Copa América no Brasil, o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, agradeceu Bolsonaro. Ao anunciar as sedes do torneio, também repetiu o agradecimento. A presença dele na abertura do torneio é quase certa.

Esta polarização prejudica a competição. Patrocinadores ficam com receio de ativar suas propagandas com medo de reação ruim. Além disso, a própria transmissão do torneio, que ocorrerá no SBT, pode sofrer com revés. A “Folha de S. Paulo” noticiou que o Ministério Público Federal iria investigar as empresas parceiras da competição.