5 de dezembro de 2020Informação, independência e credibilidade
Blog

Sim! Você tem bandido de estimação!

Olho verde e amarelo chorando. Fuja dessa gente!

Na volta, a gente compra. Quem nunca ouviu essa mentira?

Nestes tempos, tem outra que tem se tornado clássica. É a famosa “não tenho bandido de estimação”.

Geralmente, quem fala isso quer justificar sua escolha política pela bandidagem.

É aquele tiozão com foto de óculos escuros no carro e a camisa da CBF. Ou a tiazinha que tem no perfil a foto de um olho verde e amarelo chorando.

Pregam abertamente o individualismo e a exclusão social e a cara nem arde de compartilhar versículos bíblicos além de repetir, falsamente, que Maria está sempre na frente. Mentira!

Se admirassem Maria e o filho dela jamais defenderiam a agiotagem, extorsão de dinheiro de comerciantes e de moradores em troca de “segurança compulsória”, além de assassinatos para “manter a ordem”.

Estas são algumas das práticas das milícias onde atuam, deixando a população, especialmente a mais excluída, à mercê de organizações paraestatais.

Esta gente elegeu e continua a defender um homem que chegou ao mais alto cargo da República e, segundo denunciou o ex-ministro da Justiça, interfere politicamente na Polícia Federal para defender os seus filhos.

E daí? Daí que os filhos do homem são investigados por ligação com estas organizações criminosas. Um deles, Flávio, teria financiado a construção de imóveis residenciais irregulares com dinheiro público, fruto das famosas “rachadinhas”.

Os defensores dessas práticas despertaram em muitos ojeriza aos símbolos nacionais, como a bandeira, o hino e tudo que leve verde e amarelo.

Como lembrou Bolsonaro, o Rio de Janeiro é o Estado dele, por isso, o interesse de controlar a Superintendência da PF de lá. Não vejo nada de subliminar nessa mensagem.

No entanto, o cidadão continua hipnotizando um séquito de fanáticos, como numa seita. A coisa está ficando tão séria que eles se acham no direito de agredir, até fisicamente, o “outro lado”. Apoiam uma imprensa bajuladora e serviçal.

É uma gentinha que acha que a vontade do presidente é soberana. Que ele manda em tudo, está acima das instituições. Porcos autoritários. Chamá-los de gado e uma ofensa ao gado.

Que a hora deles chegue e que a queda seja tão vertiginosa como a ascensão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.