24 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade

Tag: Arthur Lira

Avanços do Centrão no Governo preocupam Guedes e militares

Avanços do Centrão no Governo preocupam Guedes e militares

Política
No meio da briga política entre Bolsonaro e os demais poderes, poucos tem tanto a ganhar quando o Centrão. O bloco de partidos que o presidente se aliou para ganhar número e evitar um possível impeachment já vê uma oportunidade de pleitear mais postos dentro da administração pública. Na mira do centrão estão diretorias de bancos públicos e de estatais, secretarias de ministérios, fundações e outras estruturas estratégicas do governo. Preocupados com a perda de cargos, militares já orientam Bolsonaro a alçar cada vez mais profissionais oriundos das Forças Armadas em postos-chave no segundo e terceiro escalões do governo. A ideia seria justamente blindar a administração federal de uma entrada excessiva de nomes indicados pelo centrão. Paulo Guedes Uma das preocupações do
Arthur Lira inicia fritura de Guedes: ‘Se preocupa mais com bancos que com o país’

Arthur Lira inicia fritura de Guedes: ‘Se preocupa mais com bancos que com o país’

Política
Arthur Lira (PP-AL), líder do Progressistas na Câmara e um novo melhor amigo de Jair Bolsonaro, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, está mais preocupado com "bancos, com mercado financeiro e bolsa de valores" do que com a reconstrução do país. "Tem coisa pior que do que obra inacabada? Quem tem que colocar a mão no bolso primeiro neste momento é o governo. No mundo todo está sendo feito isso. Aqui não faremos, por quê? Na minha visão, gerar emprego, alavancar a economia, entregar as obras: isso é pensar na reconstrução do país". Arthur Lira (PP-AL), líder do Progressistas na Câmara. Segundo o deputado por Alagoas, o Congresso se dispôs a aprovar o estado de calamidade pública e o Orçamento de Guerra para abrir espaço para gastos, mas o governo está bloqueando recursos
Lava Jato: MPF bloqueia salário de Arthur Lira, aliado de Bolsonaro no Centrão, e de outros parlamentares

Lava Jato: MPF bloqueia salário de Arthur Lira, aliado de Bolsonaro no Centrão, e de outros parlamentares

Justiça
A 1ª Vara Federal de Curitiba decretou o bloqueio mensal de 10% dos salários do senador da República Fernando Bezerra (MDB-PE) e dos deputados federais Luiz Fernando Faria (Progressistas-MG), Eduardo da Fonte (Progressistas/PE) e do alagoano Arthur Lira (Progressistas-AL). O bloqueio vai garantir cumprimento de penas requeridas em ações de improbidade administrativa, conforme pedidos da força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) e da Petrobras. O senador Bezerra é líder do governo Bolsonaro no Senado. Lira é um dos comandantes do Centrão na Câmara dos Deputados, e vem conversando com o presidente da República sobre cargos, fazendo inclusive vídeos como melhores amigos. Decisão A decisão está em conformidade com o precedente do Superior Tribunal de Justiç
Arthur Lira diz que governo Bolsonaro tem articulação ‘nula’ no Congresso

Arthur Lira diz que governo Bolsonaro tem articulação ‘nula’ no Congresso

Política
Um dos principais articuladores do centrão e da Câmara, o deputado alagoano Arthur Lira (PP-AL) afirmou em entrevista ao UOL que o governo Jair Bolsonaro (sem partido) tem articulação "nula" dentro do Congresso e terá dificuldades para aprovar novas reformas, em 2020. "Aparentemente, Bolsonaro quer acertar, o problema está na estrutura abaixo dele, que não está engrenada, a articulação, os ministérios. É difícil quando um governo não reúne com os líderes para conversar. Ignorar os partidos é um erro político de articulação." Arthur Lira (PP-AL). O deputado (que segundo a Veja acumulou fortuna com propinas) afirma que nenhum projeto entra na pauta da Câmara sem apoio do centrão, grupo informal composto por DEM, PP, PL, Republicanos, MDB, PSD e Solidariedade e responsável pela condução
Sigilos de dados sobre reforma da previdência revolta centrão na Câmara

Sigilos de dados sobre reforma da previdência revolta centrão na Câmara

Política
O governo ganhou um problema de última hora nas negociações com o chamado Centrão - grupo informal composto por PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade - para votar a proposta da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Já havia, até o feriado, praticamente um acerto entre esses partidos e o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, para alterar pontos que não comprometessem a economia estimada pela equipe econômica. Mas a revelação, feita pela Folha de S.Paulo, de que o governo mantém em segredo cálculos que embasaram a elaboração da proposta causou revolta entre deputados do Centrão. "Há dois meses eu estou dizendo a vocês que, por ocasião da comissão especial, quando vamos discutir o mérito [da proposta], nós iremos decodificar e ref