29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade

Tag: Secom

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites ilegais de jogo do bicho, em russo e infantis

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites ilegais de jogo do bicho, em russo e infantis

Brasil
O ministro Vital do Rêgo, do TCU (Tribunal de Contas da União), determinou nesta sexta-feira (10) que o governo Jair Bolsonaro cesse imediatamente a destinação de recursos de publicidade para sites e canais que promovem atividades ilegais ou cujo conteúdo não tenha relação com o público-alvo de suas campanhas. A decisão foi tomada após a Folha revelar em maio que a verba oficial da propaganda da reforma da Previdência irrigou sites e canais na internet de jogo do bicho, em russo e infantis. As informações constam de planilhas da antiga Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República), agora abrigada no recriado Ministério das Comunicações. O órgão, então comandado pelo secretário Fabio Wajngarten, contratou agências de publicidade que compram espaços por meio do G
Procuradores do NE pedem de volta recursos do Bolsa Família, que Bolsonaro direcionou para publicidade

Procuradores do NE pedem de volta recursos do Bolsa Família, que Bolsonaro direcionou para publicidade

Brasil
Os estados do Nordeste acionaram o Supremo Tribunal Federal para que o governo Jair Bolsonaro suspenda o corte de R$ 83,9 milhões do programa Bolsa Família. O governo retirou essa verba do programa para utilizá-la na expansão da publicidade oficial. No pedido ao Supremo, assinado pelos procuradores-gerais dos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte, eles pedem que o governo federal justifique a concentração de cortes no programa na região Nordeste e recomponha o valor retirado para ser usado pela publicidade do governo. O corte promovido por portaria de 2 de junho, do Ministério da Cidadania, foi no segmento destinado a atender as famílias carentes da região Nordeste, onde a cobertura foi reduzida e há fila de espera para ingre
“Problemas técnicos” fazem com que Ministério da Saúde divulgue boletim apenas às 22h

“Problemas técnicos” fazem com que Ministério da Saúde divulgue boletim apenas às 22h

Brasil
O Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, com os dados atualizados sobre o impacto do novo coronavírus no Brasil, vai atrasar um pouco nesta quarta: ”Devido a problemas técnicos, o boletim de casos e óbitos de Covid-19 será divulgado excepcionalmente às 22h”. Nota do Ministério da Saúde. E isso no mesmo dia em que o general Eduardo Pazuello foi oficializado nesta quarta-feira como ministro interino da Saúde. Na prática, Pazuello já vinha comandando interinamente o ministério desde o dia 15 de maio, quando Nelson Teich pediu demissão. A apresentação de dados do coronavírus no final desta tarde acabou cedendo lugar a uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto, com o chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten.
A Secom de Bolsonaro divulgou assim o boletim com quase 17 mil mortos. Como faria no 7×1 da Alemanha?

A Secom de Bolsonaro divulgou assim o boletim com quase 17 mil mortos. Como faria no 7×1 da Alemanha?

Opinião
A luta do Governo Federal contra a Covid-19 não para. Já são 100.459 brasileiros curados da doença e 136.969 em tratamento. Até 14h desta segunda-feira (18), foram registrados 254.220 casos de infectados pelo coronavírus, mas o governo está atento e cuidando de todos. pic.twitter.com/rvbjyzCdKS — SecomVc (@secomvc) May 19, 2020 Evitando falar do crescente número de mortos no Brasil, a Secretaria de Comunicação do presidente Jair Bolsonaro, comandada Fabio Wajngarten, em postagem no Twitter foi enaltecido o número de Brasileiros "salvos" e "em recuperação". O chamado 'Placar da Vida' preferiu ser leve como Regina Duarte e não falar de morte. No dia do anúncio, o Brasil atingia quase 17 mil mortos, do que até então era pregado como uma simples gripezinha. E até hoje os números, ao
‘O Trabalho Liberta’: Secom da Presidência usa lema associado ao nazismo para divulgar ações

‘O Trabalho Liberta’: Secom da Presidência usa lema associado ao nazismo para divulgar ações

Política
A Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República usou um lema associado ao nazismo —"o trabalho liberta"— para divulgar as ações que o governo federal vem tomando para conter o avanço do novo coronavírus no País. Parte da imprensa insiste em virar as costas aos fatos, ao Brasil e aos brasileiros. Mas o @govbr, por determinação de seu chefe, seguirá trabalhando para SALVAR VIDAS e preservar o emprego e a dignidade dos brasileiros. O trabalho, a união e a verdade libertarão o Brasil. pic.twitter.com/Pwhi2jrAKc — SecomVc (@secomvc) May 10, 2020 Entretant, também no Twitter, o chefe da Secom, Fabio Wajngarten, criticou a má interpretação do texto divulgado pelo governo. É impressionante: toda medida do governo é deformada para se encaixar em narra
MPF: PF precisa investigar Wajngarten por corrupção e peculato

MPF: PF precisa investigar Wajngarten por corrupção e peculato

Brasil
O Ministério Público Federal em Brasília pediu à Polícia Federal a abertura de inquérito criminal para investigar suspeitas sobre o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República), Fabio Wajngarten. O MPF quer apurar supostas práticas de corrupção passiva, peculato (desvio de recursos públicos feito por funcionário público, para proveito pessoal ou alheio) e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados na administração pública, valendo-se da condição de servidor). As penas previstas para os dois primeiros crimes variam de 2 a 12 anos de prisão, além de multa. No último caso, aplica-se detenção de um mês a um ano. Mamata Fabio Wajngarten fez mudanças na estratégia e privilegiou na distribuição de verbas TVs sobre a reforma da Previdê
Secom da Presidência da República privilegia clientes de Wajngarten e TVs religiosas

Secom da Presidência da República privilegia clientes de Wajngarten e TVs religiosas

Política
Fabio Wajngarten, responsável pela Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) fez mudanças na estratégia e privilegiou na distribuição de verbas TVs sobre a reforma da Previdência, a maior e mais cara campanha de publicidade do Planalto, clientes de uma empresa do secretário e emissoras religiosas. Todas apoiadoras do presidente Jair Bolsonaro. Na primeira fase da campanha, de R$ 11,5 milhões, veiculada de 20 de fevereiro a 21 de abril, o plano de mídia definiu que a TV mais contemplada com recursos seria a Globo nacional, líder de audiência e que atinge maior público. Entretanto, após Wajngarten assumir o cargo em abril, a Secom mudou a orientação. Na segunda etapa da campanha, o plano de mídia excluiu a Globo nacional da lista de contratadas, mantendo
‘Cala a boca’: Bolsonaro ignora denúncia e manterá Chefe da Secom que recebe de TVs

‘Cala a boca’: Bolsonaro ignora denúncia e manterá Chefe da Secom que recebe de TVs

Política
Atacando a Folha de São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro resolveu manter Fabio Wanjgarten, chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência), no cargo mesmo após a revelação de que ele possui um empresa que recebe dinheiro de contratadas do governo. "Se foi ilegal, a gente vê lá na frente. Mas, pelo que vi até agora, está tudo legal, vai continuar. Excelente profissional. Se fosse um porcaria, igual alguns que tem por aí, ninguém estaria criticando ele". Jair Bolsonaro, presidente. Na quarta (15), o jornal revelou que o Wanjgarten recebe, por meio de uma empresa da qual é sócio, dinheiro de emissoras televisivas e de agências de publicidade contratadas pela própria secretaria, ministérios e estatais do governo Bolsonaro. A Secom é a responsável pela distr