22 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Vazamento do relatório da CPI cria racha entre Omar Aziz e Renan Calheiros

Relatório final pode perder alguns dos indiciamento sugeridos no texto vazado neste final de semana

Os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) Omar Aziz (PSD-AM), respectivamente relator e presidente da CPI da Covid, não estão entrando em consenso e colocam em dúvida as sugestões de indiciamento que serão enviadas ao Ministério Público ao fim dos trabalhos da comissão.

O vazamento de trecho do relatório, antes mesmo que o grupo majoritário, o chamado “G7” (parlamentares da oposição e independentes críticos ao governo), tivesse a oportunidade de debater pontos, foi a gota d’água, que provocou uma reviravolta na agenda e o adiamento da leitura e da votação do documento.

Leia mais: CPI indicia Bolsonaro por 11 crimes e Renan quer indenização para órfãos da Covid

O presidente da CPI não esconde ter ficado furioso com o vazamento de trechos do relatório durante o fim de semana e considerou tal fato como “quebra de um acordo” que os parlamentares haviam feito na última sexta-feira (15).

Eles haviam acertado que as divergências em relação ao texto final seriam debatidos em uma reunião inicialmente marcada para hoje (18) —isto é, antes que o documento se tornasse público. Atribuir o crime de genocídio ao presidente Jair Bolsonaro é uma das maiores divergências.

“É do conhecimento do relator que tinha divergência em relação ao genocídio. Então vazou esse relatório sem saber que a gente queria discutir essa questão”. Omar Aziz, presidente da CPI.

Aziz também disse, ao Globo News, que em princípio deve contestar sugestões de indiciamento pelo crime de genocídio contra povos indígenas, afirmando que não pode criar uma narrativa sobre uma coisa que [ele] não tem conhecimento.

Leia mais: Renan Calheiros racha CPI ao tentar enquadrar Bolsonaro por genocídio

Ele lembrou ser oriundo do Amazonas, estado que mais possui etnias no país. “Todos os índios tiveram, sem exceção, duas doses”, disse ele, afirmando também que esperava ser convencido em relação a pessoas que constam entre as recomendações de indiciamento —e que, em tese, ele não concordaria com a atribuição de responsabilidade.