27 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Vice Mourão condena orçamento secreto e apoia decisão do STF

“Se o dinheiro fosse meu poderia até rasgar, mas pertence a cada um de nós”, disse o vice-presidente

General Mourão, vice-presidente, condena o orçamento secreto do Centrão

O vice-presidente da república Hamilton Mourão se posicionou a favor da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de suspender a emissão das emendas parlamentares de relator (comumente chamadas de ‘orçamento secreto’) horas antes da votação da PEC dos Precatórios.

Para o vice-chefe de Estado, a decisão do Supremo chegou em bom momento, considerando que oorçamento secreto criado pelo Centrão libera R$ 16 bilhões para os parlamentares do grupo.

“Acho que os princípios da administração pública de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência não estavam  sendo respeitados nessa forma de execução orçamentária. Então acho que a intervenção do STF foi oportuna”, declarou ao chegar no Palácio do Planalto.

Mourão não considera que a decisão possa representar um episódio de crise entre os poderes legislativo e judiciário.

Mourão concorda com a ideia de que as emendas de relator comprometem a transparência na gestão orçamentária. “Temos que dar o máximo de publicidade. (…) Eu não posso mandar um recurso para um lugar X se eu não sei como é que vai ser gasto. Vale lembrar que se o dinheiro fosse meu eu poderia até rasgar, mas ele não é meu. Pertence a cada um de nós que paga imposto e contribui para que o governo possa sustentar”, defendeu