29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Bleine Oliveira

A ministra e o gigante

Há alguns dias, recebi um vídeo em que a ministra Eliane Calmon, ex-presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), agora aposentada, revela como realmente funciona a justiça brasileira. Num entrevista ao site Migalhas, durante a XVI Conferência da Advocacia Mineira, realizada da última quinta-feira, 8, até o sábado, 10, em Juiz de Fora (MG), a ministra conta ao país como se comportam os magistrados em relação aos privilégios que desfrutam. (veja o link, abaixo)
Repassei para amigos, individualmente e em grupos, e a reação, como esperava, foi de muita indignação, decepção e pouca surpresa. Todos dizem que a Justiça perdeu a credibilidade!
Vejam, queridos leitores, algumas manifestações que recebi:
– Por isto q acho este CNJ um blefe, e esta mulher fantástica!!!! Sempre fui fã de carteirinha desta gde Eliane Calmon!!! Se tivéssemos mtas delas no país, não estaríamos rolando ladeira abaixo, como continuamos!!!! – Ana Omena, arquiteta e advogada.
– É a pura verdade. Trabalho na área jurídica há 41 anos e desde que comecei a conhecer suas entranhas tenho dito: espero nunca precisar da justiça. – um procurador de Estado.
– “Inconstitucional investigar juiz”. Putz grila, até que ponto chegamos com essa citação. O lance é que os caras não querem investigar o próprio sistema. – Wagner Lima – jornalista
– Começa por eles a desmoralização. – Cícero Souza, poeta paulojacintense, residente em São Paulo.
– Aonde vamos parar? – Ivonete Porfírio, empresária.
– São todos corruptos, não sobra um! – Zenita Almeida, jornalista, consultora em cerimonial.
– Muita nojeira! Nunca deixamos de ser escravos! Não percebemos, mas somos escravizados! – Solange Verçosa, secretária.
– Deus tenha pena de nós! – Antonio Rocha Barros, servidor público federal.
-Difícil… – Marcelo Amorim, jornalista.
– Tem que começar de zero, acabar com todos esses picaretas, em todas as esferas! – um integrante da PM alagoana.
– Raça mais nojenta que eu conheço. Salvo algumas raríssimas exceções, tudo uma corja só. – Angela, professora.
Como podem ver, a indignação é geral.
Daqui, do alto da Pitanguinha, avalio a entrevista da ministra Eliane Calmon como um documento ao qual todo brasileiro deve ter acesso. É um instrumento histórico!
Concluo entendendo que o Judiciário brasileiro é um gigante que já não espanta!

https://youtu.be/Ya1VdnrqG8E