29 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Líder do governo é denunciado como negociador do contrato da Covaxin

Ricardo Barros vai ao Twitter e nega que tenha sido o negociador do Covaxingate

Ricardo Barros, o homem escalado por Bolsonaro para negociar a compra da Covaxin

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, durante depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, nesta sexta-feira, 25, que é de Ricardo Barros (PP-PR) a culpa pelo “rolo” em relação ao contrato para a importação da Covaxin.

Segundo Miranda, foi o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), quem atribuiu ao líder do governo na Câmara a responsabilidade.

Depois de muito se recusar a citar o nome do suposto parlamentar envolvido no “rolo” do contrato da vacina Covaxin, o deputado Luis Miranda (DEM/DF) revelou ter sido Ricardo Barros (PP/PR) o referido parlamentar. A resposta veio com a pressão feita pela senadora Simone Tebet (MDB/MS), que garantiu que, caso o deputado revelasse o nome, não sofreria sanções. “Não se preocupe com o Conselho de Ética da Câmara”, disse.

“Eu senti que o presidente, apesar de toda força que demonstra, que a gente conhece, neste grupo específico, na minha percepção, não tinha força para combater”, declarou Miranda mais cedo, após ser questionado, reiteradas vezes, sobre o nome do referido parlamentar a quem Bolsonaro teria citado.

Mais cedo, Miranda narrou que o presidente da República teria garantido levar à Polícia Federal as denúncias sobre “pressões anormais” narradas pelo irmão do parlamentar e servidor da Saúde, Luis Ricardo Miranda. “O presidente falou com clareza que encaminharia todas as informações ao DG [Diretor-geral] da Polícia Federal e chegou a fazer um comentário com o nome de um parlamentar que não me lembro bem”, contou, completando que o mandatário chamou de “rolo” a discussão em questão.

Ricardo Barros nega envolvimento

O líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), negou ser o responsável pelo “rolo” envolvendo a contratação da Covaxin pelo governo federal.

O pronunciamento feito pelas redes sociais ocorreu minutos depois do deputado Luis Miranda (DEM-DF) revelar, na sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, desta sexta-feira,  o nome de Barros como o parlamentar mencionado pelo presidente Jair Bolsonaro em reunião com Miranda.

“Não tenho relação com esse fatos”. Minutos depois, ele fez um novo post em que afirma estar “à disposição para qualquer esclarecimento”. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que a CPI convocará deputado.