27 de outubro de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Pernambuco registra mais de 20 casos agulhada no Carnaval

Vítimas temem doenças infecto-contagiosas; Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco já atua no caso

Em entrevista ao TV Jornal, uma jovem de 23 anos disse que procurou atendimento no Hospital Correia Picanço, na Zona Norte do Recife, após ter recebido uma agulhada enquanto brincava carnaval em Olinda.

Segundo a vítima, que não quis ser identificada, o caso teria acontecido no sábado (22): “Senti uma picada no ombro direito e um queimor” no local.

Outras quatro vítimas procuraram o mesmo hospital, que é especializado em doenças infecto-contagiosas. Segundo duas outras vítimas, elas teriam recebido agulhadas no desfile do Galo da Madrugada, no Recife, e as outras duas teriam sido furadas em Olinda. Diante dos casos, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco liberou uma nota. Confira um trecho:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), por meio do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância à Saúde (Cievs) informa que recebeu a notificação de 23 pessoas, entre os dias 15 a 22 de fevereiro, que alegaram terem sido furadas por agulhas durante as festas de Carnaval em Recife e Olinda.

Deste total, 21 deram entrada no Hospital Correia Picanço, sendo no último sábado (22.02), 12 pessoas relatando a mesma ocorrência. Os pacientes foram admitidos na unidade, referência estadual em doenças infecto-contagiosas, e, após triagem, 20 realizaram a profilaxia pós-exposição (PeP) para prevenir a infecção pelo HIV e outras infecções. Dos 23 casos, 15 são do sexo feminino e 8 masculino.

Os demais, ou se recusaram a fazer o teste rápido (pré-requisito para o uso da medicação), e, consequentemente, o tratamento, ou já tinham passado da janela de 72 horas preconizadas para início da medicação. Todos foram liberados após avaliação médica, com a orientação de retorno após 30 dias para conclusão do tratamento. Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE).

2019

No Carnaval do ano passado, houve registro de mais uma centena de casos de vítimas de agulhadas, em Olinda e Recife. Um inquérito policial foi aberto e, com base no depoimento das vítimas, a polícia fez o retrato falados de possíveis suspeitos.

Em relação ao inquérito aberto no ano passado, a SDS informou que as investigações continuam a cargo da Delegacia do Rio Branco, no Bairro do Recife, mas até o momento ninguém identificou os retratos falados.