20 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade

Tag: Rodrigo Maia

Renan articula encontro da paz entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes

Renan articula encontro da paz entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes

Brasil
Aos poucos o senador Renan Calheiros (MDB-AL) vai reassumindo o protagonismo em ações dentro do cenário político nacional. Ciente da briga entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, Renan tratou de organizar um encontro entre os dois para que fumem o cachimbo da paz. Maia no Twitter chamou Guedes de "desequilibrado". Já o ministro acusou o presidente da Câmara de está aliado à esquerda e de travar as privatizações do governo. Nesta segunda-feira, 5 de outubro, os dois deverão se encontrar para apaziguar os ânimos. O encontro entre Maia e Guedes deve ocorrer em um jantar na residência do ministro do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, amigo do senador. A ação de Renan Calheiros com outros parlamentares aliados surge na hora
Planalto acelera corrida pela sucessão da Câmara e Arthur Lira queima a largada

Planalto acelera corrida pela sucessão da Câmara e Arthur Lira queima a largada

Blog, Marcelo Firmino
Pelo entendimento das lideranças políticas do Congresso Nacional, o deputado federal alagoano Arthur Lira (PP) sentou "antes da hora" na cadeira de presidente da Câmara. Lira, comandante do Centrão que tinha 220 votos na Câmara, viu seu bloco político encolher a partir da saída  de parlamentares, que seguiram as orientações do DEM, via Rodrigo Maia, atual presidente da casa. Hoje com 126 parlamentares o Centrão já não tem para o governo Bolsonaro o mesmo peso de antes. É que com o bloco original, o Planalto entendeu que negociando com Arthur Lira simplesmente não precisaria mais de Rodrigo Maia e outros atores que comandam o Congresso.  Mas, não contavam com a mudança de rumo. Agora, tudo isso faz parte da guerra pelo controle da Câmara. A luta é renhida. Lira
Articulação de Maia e partidos abalam planos de Bolsonaro e Arthur Lira

Articulação de Maia e partidos abalam planos de Bolsonaro e Arthur Lira

Blog, Marcelo Firmino, Política
As articulações nos bastidores políticos no Congresso Nacional isolaram o Centrão, bloco parlamentar comandado pelo deputado federal Arthur Lira (PP-AL), e abalaram os planos do presidente Jair Bolsonaro  de construir uma ampla base de apoio. O Centrão se aproximou do governo prometendo facilitar a formação da base apoio ao presidente em troca de cargos e benesses que o poder sempre tem para oferecer. Acontece que com a união do DEM, MDB e PSDB em um grupo político, além 8 outros grupos que se formaram no Legislativo, eles  enfraqueceram as pretensões do Centrão e do próprio presidente Jair Bolsonaro de um blocão a favor do governo. Para agravar a situação esse primeiro grupo se uniu para defender a manutenção da Presidência da Câmara dos Deputados sob o controle do atual pres
Rodrigo Maia é contra adiar eleições para 2021, pois abriria ‘precedente perigoso’

Rodrigo Maia é contra adiar eleições para 2021, pois abriria ‘precedente perigoso’

Política
Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estudam a possibilidade de adiar as eleições para no máximo dezembro de 2020, por causa dos efeitos da pandemia de coronavírus. Uma decisão que deve ser tomada até o mês de junho. A intenção é reforçada pelo Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), que chama o mandado de sagrado e que uma mudança no ano eleitoral poderia gerar problemas na democracia no futuro. Segundo ele, isso abriria um precedente perigoso para a democracia: “Fico muito preocupado, não nesse caso, porque acho que o presidente Bolsonaro não terá maioria no parlamento nunca, mas, no futuro, uma prorrogação de mandato abre um precedente de um presidente que seja forte no parlamento encontre uma falsa briga com a China, por exemplo, e prorrogue seu próprio mandat
Guedes ‘não sabe’ como pagar os R$ 600, Maia diz que governo mente e Gilmar apoia o ‘Paga Logo’

Guedes ‘não sabe’ como pagar os R$ 600, Maia diz que governo mente e Gilmar apoia o ‘Paga Logo’

Política
De forma infame apelidado de coronavoucher por deputados e senadores, foi aprovado no Legislativo nacional o pagamento do auxílio emergencial de 600 reais a trabalhadores informais. A expectativa era que Bolsonaro já tivesse sancionado o texto, para que o fosse esquematizado a logística de pagamentos, já que ada pessoa que tiver direito deve receber 600 reais por mês, durante três meses. O projeto prevê a possibilidade de o governo prorrogar o benefício por mais três meses caso a crise causada pelo coronavírus se prolongue. Cada família pode acumular, no máximo, dois benefícios, ou seja, 1.200 reais. No caso de mulher que seja mãe e chefe de família, o valor é de 1.200 reais. Guedes vê problema Entretanto, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o governo ainda nã