22 de maio de 2024Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Alagoas busca aumentar índice de imunização com o Pacto Nacional pela Consciência Vacinal

Medida visa implementar iniciativas em parceria com os 102 municípios

Pacto Nacional pela Consciência Vacinal foi assinado nesta terça-feira. Foto: Marco Antonio / Ascom Sesau

Assim como ocorre nos demais estados brasileiros, Alagoas também necessita aumentar a cobertura das vacinas que integram o Calendário Nacional de Imunização. Para reforçar esta realidade, o Governo de Alagoas assinou, nesta terça-feira (7), o Pacto Nacional pela Consciência Vacinal, pelo qual diversas ações serão implementadas, em parceria com os 102 municípios alagoanos, visando mudar esta realidade.

Para isso, serão promovidas ações educativas, conscientizando a população sobre a importância da imunização, visando alavancar as coberturas vacinais e, deste modo, evitar que doenças erradicas, como a paralisia infantil, voltem a ser notificadas no estado. O Pacto Nacional pela Consciência Vacinal é uma iniciativa coordenada pelo Ministério Público e órgãos e entidades envolvidos com a saúde pública.

Conforme o secretário de Estado da Saúde, médico ortopedista Gustavo Pontes, o Programa Nacional de Imunização (PNI) sempre foi a política pública do Ministério da Saúde (MS) a alcançar o maior êxito. Entretanto, nos últimos anos, houve uma perda da cobertura vacinal, principalmente no pós-Pandemia da Covid-19.

 

“Nós em Alagoas já recuperamos de 2022 até hoje, aumentamos em mais de 22% o nosso índice de vacinação. E o governador Paulo Dantas sempre tem nos orientado e nos cobrado isso, porque só se salva vidas por meio da vacinação”, disse o gestor estadual da saúde.

Análises

A análise das coberturas vacinais dos últimos cinco anos em Alagoas, em crianças de até 1 ano de idade, mostra que a vacina BCG (dose única), que previne a tuberculose, teve 91,7% de aderência em 2019; em 2020, 72,6%; em 2021, 74,7%; em 2022, 102,7% (maior índice); em 2023, 95,6%; e, neste ano, até março 75,8%.

A vacina meningocócica C (conjugada), que previne a doença invasiva, teve 91,9% de aderência em 2019; 76,5%, em 2020; 78,6% em 2021; 86,5%, em 2022; 89,2% em 2023; e 87,4% contabilizados até março deste ano. Já a vacina adsorvida Hepatite A, que previne a Hepatite A, teve 88,8% em 2019; 72,6% em 2020; 68,2% em 2021; 79,4% em 2022; 91,2%, em 2023 e 75,47 em 2024. Já a vacina Pentavalente, que protege contra a Difteria, Tétano, Coqueluche , Hepatite, se destacou positivamente com o aumento de imunizações. Em 2019, teve 79,2% de adesão; em 2020, 77,7%; em 2021, 78,4%; em 2022, 86,7%; em 2023, 89,2% e em 2024, 93,1% até março, o que demonstra um aumento bastante significativo.