18 de abril de 2024Informação, independência e credibilidade
Política

Após agressões no Rio, conselho de Ética precisa avaliar declarações do senador Romário contra argentinos

Em entrevista ao O Globo sobre a final da Libertadores, senador disse que argentinos tinham que “se foder, esses filha da puta” e que o time do Boca deveria “tomar no cu”

Neste sábado (4), acontece a grande final da Copa Libertadores 2023, entre Boca Juniors e Fluminense, que se enfrentam no Maracanã em jogo único. Entretanto, notícias sobre o evento rodaram o mundo não por causa do futebol, mas por causa da violência contra argentinos nas ruas do Rio de Janeiro.

E o peso das falas do senador Romário em entrevista ao O Globo, ídolo tricolor e um formador de opinião, devem ser levados em conta pelo conselho de ética do Senado Federal.

O clima antes da partida é péssimo. Neste feriado, houve muito corre-corre e gritaria na praia de Copacana, ao lado da Fan Zone montada pela Conmebol, quando torcedores do Fluminense e Boca Juniors entraram em confronto.

O detalhe é que, no local, além de membros de torcidas organizadas, haviam família, mulheres e crianças, que precisaram evitar agressões.

A confusão teria começado após trocas de ofensas entre torcedores rivais. A polícia interveio com balas de borracha e muito gás de pimenta em um local cheio de mulheres, crianças e idosos.

Há imagens de PMs atirando contra argentinos rendidos, que estavam com as mãos para cima.

Pelo menos 6 torcedores do Boca foram conduzidos pela Polícia Militar à 12ª DP (Copacabana) e à 13ª DP (Ipanema) para prestar esclarecimentos, na noite desta quinta-feira, após um tumulto em frente ao quiosque Buenos Aires, reduto de argentinos na praia de Copacabana.

Segundo o argentino Francisco Gomes, a PM já chegou atirando gás de pimenta entre os torcedores que estavam aglomerados próximo ao quiosque. O torcedor do Boca contou que o grupo apenas entoava gritos de guerra quando a polícia se aproximou.

Romário

Se o ex-presidente Jair Bolsonaro e seu entorno são investigados e tidos como responsabilizados pelos atos de 8 de janeiro, após anos de discurso defendendo golpe militar e acusando fraude nas urnas, o poder da formação de opinião do senador que jogou pelo Fluminense também deve ser levada em conta.

Em entrevista ao O Globo, divulgada antes do confronto nas praias do Rio, o senador Romário, que pra constar, é bolsonarista, disse o seguinte sobre quem deveria levar o :

“Argentino que se foda, esses filha da puta. É isso, e Boca vai tomar no cu”.

Romário não é um moleque. Não é um anônimo na internet. Não é um revoltado achando que pode falar o que quer para sua grande audiência, sem arcar com as consequências.

Romário é um senador da República e inflamou com ódio os torcedores do time visitante. Argentinos e brasileiro já possuem uma rivalidade histórica, especialmente nas Libertadores e o que aconteceu no Rio de Janeiro nesta quinta coloca em risco a segurança de brasileiros em terras argentinas.

É preciso ser muito ingênuo achar que o que aconteceu no Rio contra argentinos não possa acontecer contra brasileiros em Buenos Aires. É preciso ser muito Romário. Que calado, é um poeta.