21 de maio de 2024Informação, independência e credibilidade
Política

Bolsonaro confirma que vai para posse de Milei e já adianta que Lula não vai

Ex-presidente do Brasil fugiu do país durante a posse do petista, mas agora diz estar à “disposição” do presidente-eleito da Argentina

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) divulgou nas redes sociais uma chamada de vídeo que fez com Javier Milei, presidente eleito da Argentina, confirmando sua presença para a posse em 10 de dezembro.

“Ele me convidou. Já conversei com a Michelle, e ela vai comigo. Se o Lula fosse, ficaria difícil. Mas como o Lula (PT) não vai, não deve ir, as coisas ficam mais leves” disse o presidente, que evita ao máximo topar o mesmo caminho que o atual presidente do Brasil.

A empolgação de Bolsonaro com Milei não deveria ser surpresa. Se Jair seguiu os caminhos de Trump, Milei seguirá o dos dois na Argentina. Com propostas radicais da ultradireita, resta saber se Milei também terá apenas um mandado e fará com que seus seguidores invadam um prédio governamental para acusar fraudes eleitorais sem fundamento.

Durante a campanha, Milei deu uma entrevista afirmando que não se reuniria com Lula caso fosse eleito porque ele seria “um comunista”. O jornalista que conversava com ele afirmou: “E um grande corrupto, não?”. O então candidato concordou, e acrescentou: “Por isso esteve preso”.

“Você tem um trabalho muito grande pela frente. Como disse na mensagem que te mandei, o trabalho vai para fora da Argentina. Você representa muito para nós, democratas e somos amantes da liberdade. Você representa para o Brasil muita coisa”.

De qualquer forma, é um contraste do que fora feito na posse de Lula. Enquanto presidente, Bolsonaro tinha como mantra um “virar Argentina” e agora fazer questão de ser subserviente, quase um capacho do futuro presidente argentino.

Para que não se lembra, Bolsonaro fugiu do Brasil e não passou sua faixa para Lula. Ao invés disso, levou joias contrabandeadas e ficou o máximo que pode em Miami, com um cartão de vacinação falsificado e empurrando ao máximo seus problemas com a justiça brasileira

Lula

Nas últimas semanas, a campanha de Milei enviou recados ao governo brasileiro, por meio de sua embaixada, no sentido de abaixar ânimos e dizer que a relação com o país é muito relevante para a Argentina.

Auxiliares de Lula dizem não saber se ele participará da posse de Milei, em 10 de dezembro, mas muitos defendem que ele não vá, para evitar desgastes. Até mesmo porque há dúvidas se ele receberá convite do argentino.

Para o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a vitória de Javier Milei na Argentina é uma derrota para a região e ainda há temor pelo futuro do Mercosul.

Do ponto de vista político, Milei está mais próximo de uma direita que faz oposição não só ao governo petista no Brasil, como a outros aliados, e critica o fortalecimento da região em bloco.

Auxiliares de Lula também comparam a disputa à eleição de Jair Bolsonaro (PL) em 2018 e dizem ser a pior derrota da história do peronismo.

O petista não ligou para o presidente eleito, mas falou em democracia, desejou sorte e êxito ao novo governo nas redes sociais — sem citar Milei diretamente. Bolsonaro, por sua vez, parabenizou o aliado e disse que a “esperança voltou a brilhar”.