1 de março de 2024Informação, independência e credibilidade
Maceió

BRK substitui mais de 18 metros de coletor de esgoto danificado na Jatiúca

Tubulação antiga apresentava danos estruturais; empresa já investiu cerca de meio milhão de reais na obra, que avança para a segunda fase

A primeira etapa da obra emergencial para a recuperação do coletor de esgoto da rua Ernesto Maranhão foi concluída. Agora, as equipes operacionais da BRK avançam com os trabalhos em outro trecho da via, onde foram mapeados mais pontos danificados na tubulação. A rede coletora recebe esgoto doméstico de bairros como Jacarecica, Cruz das Almas, Mangabeiras e Jatiúca.

Na primeira fase do serviço, foram substituídos mais de 18 metros do tubo, que está localizado a seis metros de profundidade e apresenta danos estruturais devido à ação do tempo. Até o momento, a BRK já investiu cerca R$ 500 mil nessa intervenção, considerada de alta complexidade.

“Além da profundidade do coletor, há interferência do lençol freático na vala e a necessidade de desviar o fluxo de esgoto da tubulação. Para isso, contamos com bombas, geradores de energia e outros equipamentos de grande porte para manter o sistema operando durante os trabalhos na rede”, explica Micaías Santos, coordenador de Manutenção de Redes de Esgoto da BRK em Alagoas.

Para dar continuidade aos reparos, uma parte da rua, localizada nas proximidades do empresarial The Square, segue interditada. O tráfego de veículos no local foi alinhado previamente junto ao Departamento Municipal de Transportes e Trânsito (DMTT).

Os trabalhos acontecem de segunda a sexta-feira, em turnos que vão das 7h às 17h e das 19h às 5h. Nos fins de semana, as equipes da BRK atuam das 7h às 17h. Todos os procedimentos da obra seguem as exigências técnicas da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminfra).

Prazo de conclusão

A previsão inicial é que a segunda fase da obra seja finalizada até o fim deste mês de janeiro. Após a abertura da vala, quando as equipes terão acesso a toda estrutura interna do coletor, será possível avaliar a necessidade de intervenção em outros pontos do tubo, o que pode alterar o prazo previsto para conclusão dos trabalhos.

“Na primeira etapa, estimávamos uma troca pontual de cerca de seis metros de tubo. Durante o serviço, tivemos que trocar mais de 18. Somente quando abrimos a vala conseguimos ter uma visualização real da estrutura. Por isso, o cronograma pode ser ajustado”, explicou.

A obra contribuirá para evitar extravasamentos de esgoto na região e afundamentos na via.