24 de fevereiro de 2024Informação, independência e credibilidade
Governo

Colapso Braskem: Lula deve vir a Maceió acompanhado da ministra Marina Silva

Líder da bancada federal diz que é consenso no PT a necessidade da visita do presidente a Maceió neste momento de tristeza e terror

Lula e Marina devem visitar área da mina 18 da Btraskem

Há hoje todo um esforço concentrado no âmbito do governo federal para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venha a Maceió para discutir a situação do risco iminente de colapso da mina 18 da Braskem, que aterroriza a capital alagoana.

Participando da COP-28, em Dubai, o presidente delegou ao vice-presidente, Geraldo Alckmin, a tarefa de conduzir o processo de assistência do governo federal neste caso.

Contudo, é consenso no Planalto que o presidente precisa fazer uma visita à terra alagoana, considerando que o desastre provocado pela Braskem tem a dimensão de maior crime ambiental em área urbana do mundo.

A mina 18, segundo dados da Defesa Civil, já afundou 1.73 metros e o pior pode acontecer a qualquer momento. Por isso mesmo, segundo o líder da bancada federal alagoana, deputado Paulão (PT), é consenso dentro da cúpula do partido que o presidente Lula visite a capital alagoana “neste momento de tristeza e terror”, tão logo chegue de Dubai.

“É importante que a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, também acompanhe a comitiva presidencial para que haja sinergia na ações estratégicas a serem desenvolvidas em defesa e proteção dos maceioenses vítimas desse crime sem precedentes”, disse o deputado.

O governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB) foi um dos primeiros a fazer contato com o Palácio do Planalto para pedir apoio do presidente Lula neste momento de dificuldade extrema e de agonia por parte das vítimas da Braskem na capital do Estado.

Agora, a expectativa geral é que o presidente possa vir para se reunir com o governo do Estado e a Prefeitura de Maceió e, desta forma, unifique as ações voltadas para o interesse público e a segurança da capital alagoana, em meio à tragédia da mina 18.