24 de abril de 2024Informação, independência e credibilidade
Justiça

Defensoria Pública resgata em Branquinha idosa de 93 anos em situação de abandono

Saúde municipal foi acionada para avaliação da situação de saúde física e mental da idosa

Na última semana, a Defensoria Pública do Estado de Alagoas (DPE/AL) realizou uma operação de resgate de uma idosa de 93 anos que se encontrava em situação de abandono no município de Branquinha. Após o resgate, a idosa recebeu atendimento médico e foi encaminhada para a Instituição de Longa Permanência “Casa do Pobre Santo Antônio”. O caso é acompanhado pelo Defensor Público João Augusto Sinhorin.

A situação chegou ao conhecimento da DPE/AL na última terça-feira, 26, por meio de uma denúncia realizada pelo Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), que constatou que a idosa vivia sozinha em condições precárias. Já na quarta-feira, 27, a Defensoria Pública ingressou com uma Ação Civil Pública (ACP) durante o plantão judiciário, solicitando medidas de proteção à idosa para que fosse retirada de seu domicílio e colocada em uma Instituição de Longa Permanência. Este pedido foi deferido no mesmo dia pelo Poder Judiciário.

“Com a decisão judicial em mãos, nos dirigimos na manhã de quinta-feira, 28, para dar cumprimento à ordem judicial. Ao chegar na residência, foi constatado que a idosa ficava o dia todo trancada no imóvel, não dispunha da chave do local (que estava em posse de uma nora que residia a uma certa distância da casa), não havia comida na geladeira (que estava desligada, inclusive), o fogão não tinha botijão de gás e, no horário da visita, a idosa ainda não havia se alimentado. As condições de higiene eram precárias, além disso, a idosa fazia uso de remédios vencidos e tinha roupas “limpas” com bolor de mofo”, relatou o defensor público.

Após a constatação, a Defensoria Pública acionou a saúde municipal para avaliação da situação de saúde física e mental da idosa. Na oportunidade, os profissionais de saúde constataram que a idosa não recebia acompanhamento pelo serviço de saúde há mais de um ano, devido à omissão dos familiares em receberem as equipes de saúde na família. Além disso, ela não estava com a vacinação contra COVID e Influenza em dia.

A Instituição continuará acompanhando o caso com o objetivo de garantir que a cidadã receba o devido acompanhamento de assistência social, psicológico e de saúde.