5 de março de 2024Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Defesa Civil estadual realiza reunião com técnicos para reavaliar situação da mina 18

Técnicos do Departamento de Recursos Minerais recebem dados para que possam analisar de que forma poderão auxiliar o estado

Durante a reunião, foi enfatizada a necessidade de unificação e compartilhamento de todas as informações sobre o afundamento do solo nos bairros afetados pela mineração da Braskem, com o objetivo de garantir a tranquilidade dos moradores da regiões afetadas.

No início da reunião, técnicos do Comitê Técnico do Departamento de Reabilitação e Reconstrução da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa fizeram apresentação de todo o histórico do processo de afundamento do solo em cinco bairros de Maceió, desde 2018. Os técnicos mostraram como o fato ocorreu, como vem sendo feito o acompanhamento do problema e a situação atual.

O diretor do DRM/RJ, Luiz Cláudio Magalhães, lembrou que o departamento carioca é um órgão especializado em desastres naturais e ambientais em áreas urbanas. “Nós vivenciamos no ano passado uma das maiores tragédias urbanas no Brasil, quando morreram 200 pessoas, por causa de deslizamento de terras na região serrana do Rio de Janeiro. Vamos analisar todos os dados que estão sendo repassados para nossa equipe em relação a essa situação da mina 18 para definir de que maneira poderemos auxiliar os órgãos da Defesa Civil em Alagoas”, observou Magalhães.

O coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Moisés Melo, enfatizou a importância do compartilhamento das informações que envolvem o possível colapso da Mina 18. “O intuito dessa reunião é chegar, a partir de agora, a um denominador comum sobre as informações que devem ser divulgadas de forma tranquila para a população”, enfatizou o coronel.

 

O diretor do Departamento de Reabilitação e Reconstrução da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, Paulo Falcão, ressaltou que a troca de informações entre os técnicos é importante para que possa se alinhar, principalmente, às ações no caso de uma possível eclosão da mina 18.  Segundo ele, já há elementos que já permitem definir onde está concentrado o problema.

“O que é importante é que as pessoas saibam que existe um monitoramento nas áreas consideradas de risco. O que a gente sabe é que o problema está concentrado naquela região da mina 18, no bairro do Mutange, e agora é preciso traçar uma estratégia de apontar qual é a real situação, se a área da mina vai se estabilizar ou não, para pensar nas ações que vão ser tomadas no caso da mina eclodir ou não, se os afundamentos poderão voltar ou se será possível retomar o fechamento dessas minas”, explicou Falcão.