27 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Policia

Estelionatário preso em AL criou mais de 450 anúncios falsos em site de vendas

Utilizando mais de 400 contas falsas, ele movimentouR$ 600 mil em negociações

Com dois dois mandados de prisão em aberto, um pela prática do crime de estelionato em Sergipe e outro roubo, em Alagoas, foi preso o homem acusado dos crimes, após investigação conjunta dos policiais civis de Sergipe e da Divisão de Inteligência da Gerência de Polícia Judiciária da Região 1, de Alagoas.

Segundo a polícia, o acusado fez cerca de 450 anúncios falsos em um site de vendas em seis meses, utilizando mais de 400 contas falsas. Foram mais de R$ 600 mil em negociações de produtos que não existiam.

As vítimas entravam em contato com suspeito através de um aplicativo de mensagens e transferiam o dinheiro para contas bancárias informadas por ele.Depois ele excluía o anúncio e bloqueava o contato da vítima, deixando-a no prejuízo.

Ele também angariava pessoas para emprestarem suas contas bancárias para que as vítimas pudessem concluir os depósitos em contas de terceiros e assim manter sua identidade preservada. A empresa responsável pelo site de vendas enviou um representante do Setor de Segurança que auxiliou nos levantamentos dos dados.

“A operação Linha Branca foi deflagrada para apurar crimes de fraudes na modalidade de estelionato. É uma pessoa que já tem processos na Justiça. Ele se utilizava de sites e aplicativos de compra e venda de produtos novos e seminovos. Ele fazia o anúncio por preços abaixo do mercado, se vinculando a lojas de eletrodomésticos dizendo que se tratava de uma promoção. Após a vítima se interessar pelo anúncio, e pagar um sinal, ele tirava o anúncio e a vítima se dava conta de que tinha caído em um golpe”. Mayra Moinhos, delegada da Divisão de Inteligência e Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope), de Sergipe.

O acusado foi levado ao COPE onde prestou esclarecimentos e se encontra à disposição da Justiça em ambos os estados. As investigações prosseguem.

“Nós identificamos oito boletins de ocorrência de ações criminosas praticadas por ele. A investigação continua no sentido de apurar quem emprestava as contas bancárias e qual o volume de crimes praticados por ele”. Mayra Moinhos.