7 de dezembro de 2023Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Feras da Matemática: alunos do Sesi/AL se destacam no Matfest 2023

Jovens apresentam projetos e ganham prêmios durante eventos da Ufal

Feras da Matemática: alunos do Sesi/AL se destacam no Matfest 2023 | Assessoria

Os alunos das escolas Sesi Cambona e Sesi Senai Benedito Bentes mostraram que são feras em Matemática. Eles foram premiados durante a Olimpíada Alagoana de Matemática (OAM) e a MatExpo, eventos que fizeram parte das atividades do Matfest 2023. O Encontro Regional de Matemática foi realizado de 13 a 18 de novembro, pelo Instituto de Matemática (IM) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), em Maceió.

Já na segunda-feira (13), as escolas Sesi ganharam três medalhas de bronze da OAM, sendo duas do Nível 1 (6° e 7° ano) e uma do Nível  3 (Ensino Médio). Os alunos receberam, ainda, seis menções honrosas – duas no Nível 1, três no Nível 2 e uma no Nível 3. A cerimônia lotou o auditório do Centro de Inovação do Jaraguá.

Para participar das competições, os alunos das duas unidades de ensino se prepararam por meio do Polo de Astronomia e Matemática (PAM) do Sesi, com aulas ministradas no contraturno escolar, por professores especialmente capacitados, de março até novembro. “Foi muito emocionante quando eu soube que conquistei a premiação. Ganhar a menção honrosa foi muito especial para mim”, disse a aluna Mayara Falcão.

MatExpo

Na sexta-feira (17), os alunos do Sesi fecharam a semana com duas medalhas na MatExpo. A exposição aconteceu nos dias 13 e 14 de novembro, no campus Maceió da Ufal. Nela, a Escola Sesi Senai Benedito Bentes ganhou uma medalha de ouro, com o projeto “Harmonia Matemática”, e uma de prata, com o trabalho “Emocionômetro Matemático”, ambos na categoria 2 (8º e 9º ano).

Feras da Matemática: alunos do Sesi/AL se destacam no Matfest 2023 | Assessoria

No primeiro projeto, a garotada explora a conexão entre a matemática e a música, mergulhando na compreensão do conceito de limite de maneira musical com o monocórdio, ukelele e o labdisc. “Nós fomos capazes de transformar esse conceito, que é tanto abstrato e difícil de ser compreendido, em uma forma prática, divertida e envolvente”, disse o aluno João Victor Santana.

Já no segundo, eles analisam como a variação da frequência cardíaca pode revelar o nível de envolvimento emocional dos alunos durante atividades matemáticas, relacionando-o aos processos cognitivos. “O projeto consiste em ligar a emoção ao cognitivo, utilizando uma técnica chamada ‘Transformada Rápida de Fourier’”, explicou Jadson, do 9º ano B, ao explicar que o estudo teve como amostragem um grupo de 24 colegas da mesma série.

A professora de Matemática Francisca Nogueira destacou que a conquista de premiações no maior evento da disciplina do estado é a coroação de um trabalho feito por muitas mãos. “Para nós, é de extrema satisfação e orgulho enorme dos nossos alunos”, afirmou.