18 de abril de 2024Informação, independência e credibilidade
Policia

General Freire Gomes depôs durante 8 horas na PF atos golpistas

Ele optou por colaborar com as investigações da Polícia Federal, na condição de testemunha

General Freire Gomes prestou depoimento como testemunha.

O general Marco Antônio Freire Gomes prestoudepoimento à Polícia Federal (PF) durante 8 horas sobre a tentativa de golpe que o País organizada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e aliados políticos.

Gomes era o ex-comandante do Exército do governo Bolsonaro e foi ouvido na condição de testemunha. Desta forma, assumiu o compromisso de responder a todas as perguntas.

Existia a possibilidade de o general passar para a condição de investigado. Nesse caso, ele teria o direito de ficar em silêncio. Mas optou por colaborar.

Freire Gomes foi convidado a fornecer informações à PF após mais de 20 investigados – todos envolvidos na Operação Tempus Veritatis, desencadeada em fevereiro – serem ouvidos.

O general é considerado peça-chave para fechar alguns pontos da investigação. Entre eles, o conteúdo e quem esteve em uma reunião no Palácio da Alvorada, onde supostamente foi discutido o plano de golpe para manter o ex-presidente Jair Bolsonaro no poder.

O militar também foi questionado sobre os acampamentos instalados em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília (DF).

O relatório da PF que serviu de base para a decisão dos cumprimentos de mandado de busca e apreensão contra 24 investigados aponta que Freire Gomes não aderiu à ideia de uma tentativa de golpe de Estado.

Por conta disso, teria sido chamado de “cagão” pelo general Walter Braga Netto, ex-ministro da Defesa e da Casa Civil, e candidato a vice-presidente na eleição de 2022.

Com CNN