29 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Justiça

Klever Loureiro assume TJ/AL defendendo Justiça mais célere, austera e eficiente

Renan Filho destaca harmonia entre os poderes para vencer crise da Covid

Klever Loureiro garantiu que sua administração será feita em parceria com os demais desembargadores. Foto: Itawi Albuquerque

O desembargador Klever Rêgo Loureiro afirmou que sua principal meta à frente do Poder Judiciário de Alagoas é entregar uma Justiça mais rápida, sem protelações e com eficiência. “A coletividade espera desta Corte celeridade, austeridade, imparcialidade e, sobretudo, a entrega da Justiça”, reforçou.

Ao ser empossado como novo presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), nesta sexta-feira (15), Klever Loureiro garantiu que a sua administração será colegiada, feita em parceria com os demais desembargadores.

“Afastarei quaisquer odores de autoritarismo, discricionarismo e antirrepublicanismo. As senhoras e os senhores tenham a convicção de que saberei ser firme em defesa desta Casa e dos seus propósitos constitucionais e legais”. Klever Loureiro.

Na magistratura há 34 anos, Klever Loureiro disse que sua chegada ao cargo de presidente do TJAL não significa apenas um degrau na carreira. “Não é apenas alcançar a função mais alta do Poder Judiciário estadual. É mais uma etapa do amor de uma vida. Realmente o amor pela judicatura”.

Em seu discurso, ele agradeceu aos amigos e familiares e enalteceu o trabalho dos servidores do Judiciário. Segundo o desembargador, ele será um parceiro na defesa do funcionalismo do TJAL.

Klever Loureiro garantiu que os seus princípios e valores na Presidência do TJAL se confundirão com os princípios e valores presentes na Carta da República e na Constituição do Estado de Alagoas. “Haverei de me alimentar diariamente desses princípios e desses valores para defender o Poder Judiciário estadual e os seus jurisdicionados”, assegurou.

Ao tomar posse, o desembargador lembrou ainda as vítimas de Covid-19. “Nestes tempos de pandemia, em que milhares de vidas foram ceifadas por um vírus implacável, é dever nosso rever as prioridades individuais e coletivas”.

E concluiu: “Saberei honrar a escolha como presidente do TJAL com o equilíbrio e a temperança que se impõem nesse desafio”.

Klever Loureiro estará à frente do Judiciário estadual no biênio 2021-2022. Nesse período, o vice-presidente do TJAL será o desembargador José Carlos Malta Marques.

“A expectativa é a melhor possível. A gestão contará, de certeza, com esse canal aberto entre a Presidência e a Vice”, disse José Carlos Malta. Já o corregedor-geral da Justiça será o desembargador Fábio José Bittencourt Araújo. “Darei continuidade ao que já vinha sendo feito no que concerne às serventias judiciais e extrajudiciais, assim como à magistratura e ao jurisdicionado em geral”, assegurou.

A solenidade de posse contou com a presença do governador Renan Filho; do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Victor; do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins; do procurador-geral de Justiça do estado, Márcio Roberto Tenório; do prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, entre outras autoridades.

Foto: Márcio Ferreira

Renan Filho e Tutmés Ayran

O chefe do Executivo estadual destacou a importância da harmonia entre os poderes e o papel essencial do Judiciário alagoano para a superação da crise provocada pela pandemia da Covid-19.

“O equilíbrio da democracia brasileira se fundamenta exatamente na independência e na harmonia entre os poderes. O Poder Judiciário alagoano é fundamental para que possamos, neste momento de tanta dificuldade que vivem o Brasil e o mundo, termos o equilíbrio e a serenidade para avançar, evoluir e vencer essa crise”. Renan Filho, governador de Alagoas.

O desembargador Tutmés Airan, que deixou a Presidência do TJAL após dois anos no cargo, disse sentir orgulho da obra deixada.

“Uma obra que aproximou o Judiciário da sociedade, destruiu muros, construiu pontes, acolheu, abraçou, ouviu, entendeu aqueles que mais precisam da gente, que são os invisíveis; aqueles humilhados e ofendidos. Ao lado disso, fizemos um Poder extremamente produtivo, que teve competência suficiente para mergulhar na pandemia, na virtualidade, e soube extrair dela ensinamentos que fizeram o Poder Judiciário produzir mais e muito mais, ganhando respeito da sociedade e ganhando, inclusive, projeção nacional pelo seu nível de produtividade”. Tutmés Airan.