14 de junho de 2024Informação, independência e credibilidade
Economia

Lira justifica tarifar compras abaixo de US$ 50: ricos são os que mais compram

Presidente da Câmara prefere punir classes mais baixas que fazem compras na Shopee ou Shein, ao invés de tarifas mais ricos

Para o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o fim da isenção para compras no exterior de até US$ 50, em sites asiáticos, iria atingir mais a classe alta do que qualquer outra. E que a medida seria para dar um “pé de igualdade” às empresas do varejo brasileiro com as estrangeiras.

Na semana passada, as varejistas e empresas do setor têxtil nacional elaboraram um manifesto em apoio à medida, que impacta principalmente sites como Shopee e Shein. Nos bastidores, as companhias brasileiras têm ameaçado até deslocar sua produção para o Paraguai caso as plataformas estrangeiras não sejam taxadas.

A taxação dos produtos dessas plataformas internacionais foi incluída no projeto de lei que regulamenta o Programa Mobilidade Verde e Inovação (Mover), voltado para o setor automotivo, mas enfrenta resistência do PT e de parte do governo Lula, que vê a medida como impopular.

“Tivemos acesso a uma pesquisa da FSB, de um instituto, que demonstra que quase 60% dos consumidores dessas empresas são classe A e B”, disse Lira, em coletiva aos jornalista nesta terça-feira (21), ignorando os 40% dos consumidores mais pobres que seriam afetados.

“Então, essa questão de dizer que são os menos favorecidos que vão perder poder de compras, tem que colocar na balança manutenção de empregos, a indústria nacional, a concorrência com as empresas nacionais, que não estão pedindo isenção, estão pedindo pé de igualdade. Tudo isso os líderes vão decidir com o relator”.

A expectativa é que o Mover entre na pauta de votação do plenário na Câmara hoje (22). O texto é relatado pelo deputado Átila Lira (PP-PI).

Segundo o presidente da Câmara, “dificilmente” o Mover será votado sem a medida que trata das compras internacionais de até US$ 50. Na semana passada, o vice-presidente Geraldo Alckmin, que também é ministro da Indústria, defende a separação dos textos, como pedido pelo PT.

“O Mover tem um impasse. A maioria dos partidos, na reunião que nós tratamos, posicionou-se a favor do texto do relator. O governo e partidos de oposição estão querendo discutir o texto dos US$ 50. O relator ficou de procurar uma solução alternativa de phase out, mas há uma mobilização grande do setor de varejo do Brasil”, disse Lira.