24 de fevereiro de 2024Informação, independência e credibilidade
Brasil

Mais de 3,1 mil trabalhadores são resgatados do trabalho escravo no País em 2023

O cultivo e colheita do café e da cana de açúcar lideram as estatísticas do trabalho análogo à escravidão

Por Agência Brasil

Brasil ainda mantém alta de trabalho escravo, principalmente no campo.

Cerca de  3.151 trabalhadores em condições análogas à escravidão foram regatados no Brasil durante 2023. O número é o maior desde 2009, quando 3.765 pessoas foram resgatadas.

Apesar dessa alta, o dado mostra como o país regrediu no período recente porque o número de auditores fiscais do trabalho está no menor nível em 30 anos.

Com esses dados, subiu para 63,4 mil o número de trabalhadores flagrados em situação análoga à escravidão desde que foram criados os grupos de fiscalização móvel, em 1995.

O trabalho no campo ainda lidera o número de resgates. A atividade com maior número de trabalhadores libertados foi o cultivo de café (300 pessoas), seguida pelo plantio de cana-de-açúcar (258 pessoas). Entre os estados, Goiás teve o maior número de resgatados (735), seguido por Minas Gerais (643), São Paulo (387) e Rio Grande do Sul (333).

Por trás das estatísticas, restam histórias de abuso nos campos e nas cidades que mostram como o trabalho análogo à escravidão ainda é recorrente no Brasil. Em fábricas improvisadas, em casas de alto padrão, nas plantações, crimes continuam a ser cometidos.