19 de maio de 2024Informação, independência e credibilidade
Expresso

MPF propõe diálogo para solucionar impasses entre UFAL e estudantes com deficiência

Procurador regional dos Direitos do Cidadão, Bruno Lamenha, quer criar Fórum permanente para discutir acessibilidade

O Ministério Público Federal (MPF) em Alagoas propôs a criação de um Fórum permanente para tratar da questão da acessibilidade na Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com a participação de estudantes com deficiência, professores e servidores.

A proposta foi feita na manhã da última quarta-feira (08/11) em reunião promovida pelo procurador regional dos Direitos do Cidadão, Bruno Lamenha. com representantes da Ufal, para tratar de conflitos e queixas de estudantes universitários em relação às políticas de acessibilidade da instituição federal de ensino superior.

Em junho deste ano, o MPF iniciou – a partir da representação de um estudante – a apuração de supostos atos de capacitismo por parte de servidores da Ufal, atraso na entrega de materiais adaptados aos alunos com deficiência, ocorrência de acidentes com estudantes, supostamente ocasionados pela ausência de acessibilidade nos campi e possível risco de evasão de alunos com deficiência, por conta dessas dificuldades.

Ao final da reunião desta quarta-feira, já foi agendada um novo encontro para o próximo dia 28/11, na PR/AL, dessa vez reunindo representantes dos estudantes da Universidade, para iniciar o esforço pretendido de estabelecimento de um fórum permanente de diálogo sobre a temática da acessibilidade na universidade. De acordo com dados enviados pela própria Ufal, hoje, nos três campi da universidade, há cerca de 780 estudantes convivendo com algum tipo de deficiência. Desse universo, foram registradas 57 evasões em 2023.