16 de junho de 2024Informação, independência e credibilidade
Blog

Negro malandro e índio vagabundo, como plataforma política de candidato

Os negros são 54% da população e são maiores vítimas de homicídios

A história brasileira contada, em grande parte, pelos brancos nunca foi favorável aos negros que chegaram como escravos à ‘terra de Santa Cruz”,  pós 1500, ou mais precisamente no século XVI.

Do continente africano foram trazidos em condições desumanas e milhares morreram nos porões dos navios negreiros. Morreram também nas terras do Brasil colonial e do império, caçados como animais irracionais pelos capitães do mato, contratados pelos donos das casas grandes, senhores de engenho e coronéis da época.

Foram três séculos de escravidão. O Brasil foi o último País do mundo a fazer a abolição, devido a pressão internacional. Do século XVI ao Século XIX, os negros foram perseguidos, torturados e mortos pelos seus escravagistas.

A história relata sofrimento, massacre, desumanidade e muita dor.

Lamentavelmente, ainda hoje os negros brasileiros são tratados como malandros, graças ao preconceito racial de grande parte da nossa sociedade conservadora que vive apenas para os seus brancos, cheirando a leite ou ao pó da folha de Epadu.

Que o diga o senhor general Mourão, candidato a vice-presidente da República na chapa do sargento Jair Bolsonaro, que esta semana no Rio Grande Sul, atacou verbalmente o povo negro do País, qualificando como malandros. Os índios também. Foram citados como indolentes, vagabundos.

Imagine então o que será do amanhã neste País, com essa concepção política ascendendo ao poder central?

Ora, se hoje o Brasil tem o maior índice do mundo de jovens negros assassinados pelos justiceiros de plantão, milícias e nos ditos “confrontos” das polícias, na periferia das cidades,  o que não acontecerá a partir da concepção racista da autoridade dentro do Palácio do Planalto?

São questões que o mundo da torcida política irascível e alienada, tão em voga no País de agora, sequer admite considerar.

Vivemos tempos perigosos. E por tudo isso a democracia vive na corda bamba.

Bem ao gosto dos novos capitães do mato, travestidos de “homens de bem” da terra inzoneira.

Em Tempo: De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública a população negra está mais exposta à violência no Brasil. Os negros representam 54% da população, mas são 71% das vítimas de homicídio. (Dados de 2017).