26 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Nesta terça-feira tem lançamentos literários pela Editora da Uneal

Entre as publicações, uma obra coletiva, organizada por Elen Oliveira e Luiz Sávio de Almeida, traz as memórias e vivências de jornalistas alagoanos durante a pandemia

A noite desta terça-feira (7) é de lançamentos literários, no complexo cultural  do Teatro Deodoro. A partir das 19h30, a Editora da Universidade Estadual de Alagoas (Eduneal) coloca no mercado a produção de oito livros escritos por intelectuais e pesquisadores alagoanos, no seu primeiro evento de lançamento presencial desde o início da pandemia. As obras versam sobre temas que vão desde economia à literatura; de pesquisas históricas à vivência de jornalistas na cobertura durante a pandemia.

Na mesa de autógrafos, a obra do economista, pesquisador e escritor Cícero Péricles de Carvalho – ​Mudanças na agroindústria canavieira nordestina 2000-2012 – um livro que analisa o processo de reestruturação produtiva do setor sucroalcooleiro entre o final da década de 1990 e o ano 2012, com ênfase nas mudanças protagonizadas por Alagoas e Pernambuco, estados de maior produção sucroalcooleira da região Nordeste. A obra é resultado da parceria editorial entre a editora da Eduneal e a editora da Universidade Federal de Alagoas.

Tem também a obra organizada por Roberval Santos, que por meio de textos esquecidos, mas de notável contribuição intelectual de importantes personalidades do passado e documentos consagrados e dotados de informações consistentes tenta resgatar para o Alagoas o protagonismo de determinada época do Brasil Colonial, no livro “Contribuição para a história da presença holandesa em Alagoas”.

​Tem também a reedição da obra “Alagoas percurso de cultura e tradição” da pesquisadora Carmen Lúcia Dantas, com fotos de Ricardo Lêdo, reunindo um conjunto de dados, informações históricas, observações e estudos acumulados ao longo de décadas pela autora em suas pesquisas acadêmicas pelos municípios do estado. O livro apresenta o mapeamento do estado abrangendo a territorialidade paisagística e humana, demarcando as múltiplas dimensões de cada região e suas peculiaridades.

Outro destaque é  “Contos reunidos”, de Arriete Vilela, que traz escritos como “Grande baú”, “A infância”, “Maria Flor etc”, “Tardios afetos” e “Farpa”, numa coletânea que permite ao leitor um mergulho no universo poético dessa renomada escritora alagoana.

​No campo da educação a Eduneal traz o livro “Narrativas Poéticas: memórias de encontros na Educação Infantil” que de forma leve e significativa dá voz e visibilidade as práticas pedagógicas e aos profissionais da educação na primeira etapa da Educação Básica a partir de significativas experiências desenvolvidas com bebês e crianças bem pequenas na Educação Infantil. As narrativas infantis povoam as páginas deste livro apresentando-nos as marcas do vivido entre adultos e crianças em creches e pré-escolas públicas alagoanas.

Jornalistas e a Pandemia

Nesse rol de lançamentos o professor e escritor Luiz Sávio de Almeida tem seu nome atrelado a três novas obras: “Alagoas: Ensaios sobre demografia do século XIX” e “Alagoas: Ensaios sobre negros e escravos no censo de 1872, ambos de sua autoria, e o livro “Jornalistas e a Pandemia”, uma escrita coletiva de jornalistas alagoanos sobre vida e trabalho jornalístico em Alagoas durante a pandemia, organizado por Sávio em parceria com a jornalista Elen Oliveira e ilustrado com charges do jornalista Ênio Lins.

A obra reúne relatos de experiências vividas por 21 jornalistas no período de abril a setembro de 2020, como profissionais por trás das câmeras, smartphones e blocos de anotação, mas também como seres humanos, diante do efeito devastador de uma pandemia que avançou fazendo milhões de vítimas em todo o mundo;  lidando com seus medos, suas emoções, suas perdas e a inusitada experiência de descobrir como cobrir os acontecimentos e trabalhar a notícia em tempos de isolamento; a lida com novas práticas cotidianas de home-office, videochamada e teleconferência, o uso de máscaras diante de microfones e câmeras; a experiência angustiante de noticiar ruas vazias, praias desertas, mortes e sepultamentos sem despedidas.

“O livro é dedicado aos mortos em decorrência da pandemia, entre os quais nomeamos oito jornalistas alagoanos mortos em consequência da Covid-19 até o fechamento da edição, em julho deste ano”, informa Elen Oliveira.

“Da Alemanha, onde vive, a jornalista alagoana Flávia Batista acompanhou a partida de sua mãe, uma das vítimas da covid-19 em Maceió. Quando dona Elba faleceu, os aeroportos estavam fechados a voos internacionais. Não houve despedidas, os funerais foram suspensos. Dias antes, a jornalista Lídia Ramires, que estava em atividade acadêmica na França, foi orientada a embarcar de volta ao Brasil, antes que fosse impedida pelas circunstâncias. São relatos humanos, emocionais, em que os jornalistas falam em primeira pessoa sobre vida, trabalho e temores em meio à pandemia”, comenta jornalista.

“O livro reúne apontamentos para uma construção memorial sobre a pandemia do novo coronavírus. Nossa intenção foi construir um imenso painel para um pesquisador no futuro sobre este momento da pandemia em Alagoas”, comenta o historiador Sávio Almeida, que organizou outras edições com abordagens de segmentos diversos sobre a pandemia, para outros lançamentos.

​SERVIÇO
Data: 07 de dezembro de 2021
Local: complexo do Teatro Deodoro
Horário: 19h30
Venda dos livros:
Eduneal – www.eduneal.com.br / (82)-999962876
Quilombada (82) 98155-9787
*Produzido com base em textos da assessoria da Eduneal e da jornalista Elen Oliveira