24 de maio de 2024Informação, independência e credibilidade
Policia

PF descobre nos EUA imagens inéditas das joias ilegais vendidas por Bolsonaro

As evidências visuais, documentais e testemunhais indicam o envolvimento de uma nova figura na operação clandestina.

A Polícia Federal (PF) obteve acesso a imagens exclusivas e conduziu entrevistas que corroboram informações sobre a venda e recompra ilegal das joias do Estado que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) se apropriou, no exercício do governo.

As evidências visuais, documentais e testemunhais também indicam o envolvimento de uma nova figura na operação clandestina.

O “kit ouro branco”, composto por anel, caneta, abotoaduras e um rosário islâmico (“masbaha”), todas adornadas com diamantes, doado ao Brasil, foi recebido por Bolsonaro durante sua visita oficial à Arábia Saudita em outubro de 2019.

O conjunto também incluía um relógio Rolex, que foi comercializado separadamente em uma loja na Pensilvânia. O valor total do conjunto foi estimado em pelo menos R$ 500 mil.

Os investigadores obtiveram imagens das joias expostas na referida loja antes de serem recompradas. Além disso, a PF conseguiu acesso aos anúncios para a revenda dos itens.

O responsável pela venda e subsequente recompra das joias foi identificado como Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, de acordo com relatório policial.

Essas informações foram levantadas pelos agentes da PF durante diligências nos Estados Unidos como parte do inquérito que investiga a alegada apropriação e venda ilegal de joias do estado brasileiro, que foram recebidas por Bolsonaro, e que deveria está entre os pertencentes do acervo da Presidência.