2 de março de 2024Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Procuradora da Mulher da Assembleia Legislativa, Fátima Canuto defende interiorização das ações

Ato da Mesa Diretora do Parlamento ainda designa como procuradoras adjuntas 1ª, 2ª e 3ª as deputadas Cibele Moura, Gabi Gonçalves e Rose Davino

A deputada estadual Fátima Canuto foi nomeada procuradora especial da Mulher da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE). Ela defende a interiorização da Procuradoria Especial da Mulher, a fim de expandir a prevenção das violências contra mulheres em todas as cidades alagoanas e impulsionar o incentivo à participação feminina na política.

O ato da Mesa Diretora do Parlamento ainda designa como procuradoras adjuntas 1ª, 2ª e 3ª as deputadas Cibele Moura, Gabi Gonçalves e Rose Davino, respectivamente.

A parlamentar, que presidiu a Comissão da Mulher na última legislatura, declara que ocupar esse cargo é uma grande responsabilidade, que será honrada com afinco ao longo dos próximos dois anos.

“Fico grata à Mesa Diretora da ALE, na pessoa do presidente Marcelo Victor, pela confiança. A Procuradoria Especial da Mulher ainda é recente no Parlamento, mas tem atribuições essenciais que visam a igualdade de gênero. Fazer um trabalho que envolva todo o estado, a partir da Procuradoria, é uma necessidade”, afirmou Fátima Canuto.

Implantado em 2019, o órgão atua na defesa e promoção da igualdade de gênero, da autonomia, empoderamento e representação das mulheres, bem como no enfrentamento a todas as formas de discriminação e de violência contra mulheres.

A interiorização da Procuradoria da Mulher, segundo a deputada Fátima Canuto, deve se dar por meio das Câmaras de Vereadores Municipais. Segundo a parlamentar, é dessa forma que será possível chegar em todos os municípios:

“Queremos estudar, pesquisar, entender, atender mulheres e promover debates e ações. A Procuradoria da Mulher da ALE será atuante e, para que esse trabalho chegue em todas as alagoanas, precisamos desse braço no interior por meio das Câmaras Municipais”.

Conforme a resolução que cria a Procuradoria Especial da Mulher, compete a ela receber, acompanhar e encaminhar aos órgãos competentes denúncias de violência contra a mulher; fiscalizar e acompanhar a execução de programas dos governos federal, estadual e municipal que visem a promoção de igualdade de gênero, autonomia, empoderamento e enfrentamento à violência; fomentar a participação e representação das mulheres na política; cooperar e construir parcerias com organismos públicos; promover pesquisas e estudos sobre a violência e discriminação contra mulheres; promover e implementar campanhas educativas, seminários e palestras referente a temática de gênero no âmbito estadual; propor e integrar articulação de políticas transversais de gênero nos órgãos governamentais e da sociedade civil; entre outros.

Mais pelas mulheres

Fátima Canuto é autora das leis da Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Nº 8.531), do Código do Sinal Vermelho (Nº 8.397/2021), da denúncia de violência doméstica por aplicativo (Nº 8.404/2021) e da Lei que determina a divulgação da Lei do Minuto Seguinte (Nº 4.455/2021).

Também apresentou projeto de lei para a criação da Lei do Drink La Penha, que estabelece o protocolo de assistência a mulheres vítimas de violência doméstica em bares e restaurantes, facilitando e incentivando a denúncia, e a criação do Dia Estadual de Levante Contra o Feminicídio. A parlamentar também é idealizadora da Casa da Mulher Pilarense e apresentou indicação para a implantação de unidades semelhantes em todos os municípios alagoanos.