2 de março de 2024Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Secretaria da Mulher e Direitos Humanos realiza simpósio de visibilidade trans em Alagoas

Objetivo principal é proporcionar um lugar para a construção coletiva de conhecimentos, trabalhos colaborativos e parcerias

Evento é realizado pelo Governo do Estado com apoio de entidades da sociedade civil

A Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh) promoverá nos próximos dias 25 e 26 de janeiro o primeiro Simpósio de Visibilidade Transvestigênere de Alagoas. Transvestigênere é um neologismo que propõe substituir o termo transgênero e ser mais inclusivo, por fundir as palavras transexual e travesti, além de terminar de forma neutra em alusão às pessoas não binárias.

O evento, que acontecerá na Escola do Governo de Alagoas, localizada na Rua do Livramento, no Centro de Maceió, acontecerá em alusão ao Dia Nacional da Visibilidade Trans, que é comemorado dia 29 de janeiro. O objetivo principal é proporcionar um lugar para a construção coletiva de conhecimentos, trabalhos colaborativos e parcerias interinstitucionais, além de evidenciar a incessante busca por experiências na temática relacionada à população transvestigênere do Estado de Alagoas. Além disso, também visa apresentar à população os serviços ofertados pela Semudh, secretarias de Estado da Educação e da Saúde e do Conselho Estadual LGBTQIAPN+.

 

“As pessoas trans, travestis e não-bináries são historicamente afetadas por um processo de invisibilização e mortas em silêncio. Queremos quebrar esse ciclo de opressão, incentivando o debate sobre a realidade desta comunidade e ouvi-las para, juntos, juntas e juntes, construir políticas públicas para o bem estar, cidadania e segurança desta população”, explicou a secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos, Maria Silva.

A programação contará com mesas temáticas que trarão palestrantes especiais. No primeiro dia serão discutidos, entre outros temas, os desafios da empregabilidade da população trans, os avanços do ambulatório trans de Alagoas, além de produções culturais de artistas trans.

Já no segundo dia serão discutidos a LGBTfobia no ambiente escolar, linguagem neutra e desafios comunicacionais com o objetivo de tornar a comunicação mais inclusiva. Também serão discutidos a inclusão do nome social, o uso de banheiros nas escolas e a importância da família no acolhimento de LGBTQIAPN+.

 

“É fundamental fortalecer as políticas para a população LGBTQIAPN+, da comunidade trans do nosso estado e não deixar que este recorte caia no esquecimento. Estamos reforçando o compromisso da Semudh e do Governo do Estado na proteção e garantia dos direitos da comunidade”, ressaltou o gerente de Articulação, Execução e Monitoramento de Políticas Públicas para a População LGBT, Messias Mendonça.

 

A assessora técnica da Gerência LGBT e travesti, Bianca de Lima, explica que o simpósio é de extrema importância para refletir sobre a realidade das pessoas trans, travestis e não-bináries. “É fundamental que a sociedade tenha um amadurecimento para entender o que passamos, o quanto nosso ciclo é fechado e como a gente luta para que se abra”, afirma.

 

Além da Semudh, também participam da organização do evento a Seduc e o Conselho Estadual de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais de Alagoas (CECD-LGBT/AL).

 

 

O simpósio tem o apoio do Grupo Gay de Maceió (GGM), Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT/AL), Coletivo Mães da Resistência Alagoas, Comissão Especial da Diversidade Sexual e de Gênero da OAB/AL, NUDEGIS/IFAL, Diretório Central dos Estudantes Quilombo dos Palmares (DCE/UFAL) e do Grupo de Estudos e Pesquisas em História, Gênero e Sexualidade (GEPHGS).

 

Confira a programação:

Quinta (25/01)     

8h – Credenciamento

9h15 – Abertura Solene

10h15 – MESA: Governo Trabalhando com a População LGBTQIA+.

11h – MESA: Inclusão e Empregabilidade: Desafios e Perspectivas para a População Trans

12h –  Almoço

13h05 – MESA: Políticas Públicas e Papel dos Conselhos LGBT+

13h45 – MESA: Ambulatório Trans de AL: Avanços e Desafios.

14h30 – MESA: Cultura Trans e Suas Produções

15h20 – MESA: Audiovisual – Cultura Ballroom: A Arte e a Resistência

16h – MESA: Saúde Bucal – Projeto de Extensão do CESMAC

17h – Encerramento.

Sexta (26/01)

8h – Credenciamento

9h15 – MESA: Precisamos falar sobre LGBTFOBIA no Ambiente Escolar.

9h50 – Momento para reflexões

11h – MESA: Direito e Dignidade: Nome Social e uso de banheiros nas escolas

12 – Almoço

13h05 – MESA: Tornando a comunicação mais inclusiva: Explorando a Linguagem Neutra e Desafios Comunicacionais.

14h00 – MESA: A importância da família e do acolhimento de pessoas LGBTQIA+

15h – MESA: Direito e Diversidade de gênero.

 

16h – Encerramento do evento.