16 de junho de 2024Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Sesau orienta sobre a importância da vacina contra o HPV para prevenir o câncer

Imunizante está disponível nos postos de vacinação municipais e previne contra as neoplasias de colo do útero, pênis e boca

Esquema vacinal contra o HPV compreende dose única e destina-se a meninos e meninas de 9 a 14 anos. Foto: Carla Cleto / Ascom Sesau

Disponível nos postos de  saúde dos 102 municípios alagoanos, a vacina contra o HPV é segura e previne contra o vírus que pode ocasionar os cânceres de útero, pênis e boca, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

O imunizante, que é seguro e eficaz, conforme estudos técnicos realizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), conta com um esquema vacinal de dose única, sendo voltado para meninos e meninas dos 9 aos 14 anos de idade.

A enfermeira do Programa Nacional de Imunização em Alagoas, Laudiceia Vieira, explicou que, anteriormente, o esquema vacinal compreendia duas doses, mas foi alterado pelo Ministério da Saúde. Ela salientou que os pais devem ficar atentos e devem vacinar seus filhos contra o HPV, assegurando que estejam protegidos contra doenças que podem levar à morte.

“A vacina contra o HPV imuniza contra quatro tipos do vírus e previne contra a segunda doença que mais mata mulheres no Brasil, que é o câncer do colo do útero. Já no caso dos meninos, ajuda no combate ao câncer de pênis e de boca, além de evitar a transmissão da doença para outras pessoas”, destacou.

Laudiceia Vieira informou que, de acordo com o novo esquema vacinal preconizado pelo Ministério da Saúde para vacina contra o HPV, as Secretarias Municipais de Saúde também devem fazer o resgate de adolescentes até 19 anos que não foram imunizados. Também devem ser preconizadas as pessoas portadoras de Papilomatose Respiratória Recorrente (PRR) como grupo prioritário da vacina HPV.

Cobertura Vacinal

Durante o ano de 2023, a cobertura vacinal contra o HPV foi de 26,12% para o sexo masculino e de 50,96% para o sexo feminino. “São números considerados baixos, levando em conta que a meta mínima preconizada pelo Ministério da Saúde é de 80%. Por isso, estamos reforçando que todos os pais e responsáveis de crianças e adolescentes de 9 a 14 anos levem seus filhos para os postos de saúde de suas cidades e garantam o bem-estar e saúde de suas crianças e adolescentes”, reforçou Laudiceia Vieira.