16 de junho de 2024Informação, independência e credibilidade
Política

Vídeo: Terrorista que se calou na CPMI disse ter sido usado e abandonado por bolsonaristas

Wellington Macedo compartilhou gravação em que chora copiosamente, acusando parlamentares de terem abandonado “patriotas” como ele

O blogueiro bolsonarista Wellington Macedo de Souza, já condenado por envolvimento na armação de um explosivo no Aeroporto de Brasília, em dezembro do ano passado, ficou em silêncio ontem (21) durante depoimento à CPI dos Atos Golpistas.

Curiosamente, terrorista que fugiu e precisou ser caçado no Paraguai após tentar explodir um caminhão no Aeroporto de Brasília, não teve problemas em compartilhar seus sentimentos nas redes sociais.

No vídeo, aos prantos, ele afirmava ter sido usado e abandonado por parlamentares bolsonaristas, que depois de se enriqueceram, deram as costas para “patriotas” como ele.

Wellington foi sentenciado a seis anos de prisão, em regime fechado, pelo crime de expor a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem, mediante explosão. Ele estava foragido desde janeiro deste ano, e foi preso no dia 14 de setembro em em Cidade do Leste, no Paraguai.

Além de Wellington, outras duas pessoas foram condenadas pela armação da bomba em Brasília: George Washington de Oliveira Sousa e Alan Diego dos Santos Rodrigues, que também estão presos. O explosivo foi colocado em um caminhão de combustíveis, identificado por um motorista antes que o material fosse detonado.

Governo Bolsonaro.

Macedo foi assessor da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos durante a gestão Damares Alves.

Ele teve um cargo comissionado na Diretoria de Promoção e Fortalecimento de Direitos da Criança e do Adolescente entre fevereiro a outubro de 2019.

Em 2018, quando passou a publicar notícias alinhadas com o bolsonarismo, foi alvo de pelo menos 59 ações por danos morais movidas por diretores de escolas do município Sobral, no interior do Ceará, por conta da série de reportagens “Educação do Mal”.