4 de março de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Anta? As gafes nas fotos oficiais da assessoria do governo Bolsonaro

Sem assessoria de imprensa profissional, equipe do presidente eleito comete gafes

Sem uma estrutura de assessoria de imprensa e fazendo campanha pelas redes sociais, Jair Bolsonaro deve seguir nestes moldes em seu governo. Seus filhos conseguiram implantar na sua cabeça a inutilidade de um assessor de comunicação.

É de se esperar, portanto, inúmeras gafes e desencontros, como já vem acontecendo. Seguindo o modelo Donald Trump, o presidente eleito deve anunciar suas principais medidas no Twitter, sua rede social. Seja para informes importantes, ou como seus desejos de feliz natal.

Porém, ao não contratar profissionais em suas devidas áreas, os problemas vão sim acontecer. Fotos disponibilizadas pelo governo de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), em site da equipe de comunicação, criaram mensagens de duplo sentido.

Em pelo menos três imagens, o termo “transição governamental” ganhou novas configurações em fotos com as presenças de Bolsonaro e do futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Onyx surge até como “transão” em vez de “transição”. Tudo por conta do ângulo e do recorte. Com o presidente eleito, o recorte da foto excluiu algumas letras da palavra “governamental” e o resultado foi a palavra “anta” atrás dele.

As fotografias foram disponibilizadas dessa forma na conta do governo de transição no site Flickr, para armazenamento de imagens.

Nela, há álbuns e registros de vários momentos dos futuros membros do governo federal, desde reuniões até entrevistas. As fotos foram feitas pela própria equipe do governo, em ambientes onde a imprensa não tem acesso. Algumas delas já foram deletadas.

Não é a primeira, nem única vez que isto deve acontecer. Em outros momentos, com outros políticos, alguns fotógrafos faziam até questão de escolher o ângulo certo, o corte irônico, para tentar passar uma mensagem que a imagem por si só não transmitiria.

O problema é que, desta vez, foi a própria equipe de assessoria que fez estas mensagens. Partiu de dentro. Não foi informado o responsável pelas fotos e upload das mesmas, mas que não aja condenação maior aos responsáveis.

Não parece, mas este é sim um trabalho profissional. E se a questão era mudar o que está por aí, as coisas parecem encaminhar para o mesmo de sempre. Ainda há esperança?