25 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade

Autor: Marcelo Firmino

Bolsonaro posa de curandeiro e acha que engana a todos, todo o tempo

Bolsonaro posa de curandeiro e acha que engana a todos, todo o tempo

Blog, Marcelo Firmino
"Se eu estivesse no comando não teria morrido tanta gente". A frase é do presidente da República Jair Bolsonaro para os seus apoiadores, na vã tentativa de se eximir das responsabilidade pelas mortes de quase 550 mil brasileiros na pandemia do coronavírus. Obviamente, ele fala isso para os que vão ao cercadinho do Alvorada ouvi-lo dizer as asneiras e aberrações de sempre, por que tem a certeza que esses acreditam em todas as mentiras que conta. Nunca, na história política, se viu um governante para mentir tanto no País. Mente e acredita na mentira que conta. Para ele, as pessoas infectadas pelo coronavírus teram sido salvas pela cloroquina e a ivermectina. È uma insistência nessa receita que remete a um ser doentio. Mas, a questão é que se ele dissesse ao
Judô mantém a escrita e garante a primeira medalha para o Brasil nos jogos olímpicos do Japão

Judô mantém a escrita e garante a primeira medalha para o Brasil nos jogos olímpicos do Japão

Esportes
Daniel Cargnin conquistou na manhã deste domingo (25) a primeira medalha do judô brasileiro nas Olimpíadas 2020. Ele foi bronze na categoria até 66 kg ao superar o israelense Baruch Shmailov, oitavo do ranking mundial. Cargnin, 13º do mundo, começou a luta de forma mais combativa que o adversário e encaixou um golpe que lhe deu um waza-ari. Ele manteve a pontuação à frente e assegurou a medalha. O brasileiro estreou em Olimpíadas com uma vitória sobre o egípcio Mohamed Abdelmawgoud por ippon e, na sequência, superou Denis Vieru, da Moldávia, por waza-ari. Nas quartas de final, superou o líder do ranking mundial, o italiano Manuel Lombardo, também por um waza-ari nos instantes finais do tempo regulamentar da luta. Sua derrota foi na semifinal para o japonês Hifumi Abe, quinto c
“Narrativa”, a palavra da moda de bolsonaristas na retórica chifrin

“Narrativa”, a palavra da moda de bolsonaristas na retórica chifrin

Blog, Marcelo Firmino, Política
  A palavra “narrativa” é um substantivo feminino que, nesses tempos mais que sombrios, tem sido usada de forma enfadonha – repetidamente - e por muita gente que até desconhece o real significado. Um romance, uma história, um conto ou uma série de TV, torna-se atraente ao público, geralmente, pela qualidade da narrativa criada pelo autor. Atualmente, a narrativa trazida para o meio político é sinônimo de bizarrice. Principalmente quando os incautos não têm o que defender no contexto e apelam para a palavra “narrativa”, como se ali estivessem promovendo a melhor das argumentações. Tempos estranhos. Onde a falta de conteúdo leva a argumentos rasos, a verborragia agressiva e, por conseguinte, doentia. É bem verdade que o meio político desses tempos é devidamente identi
Alagoas chora nesta sexta-feira a morte do jornalista e mestre Elinaldo Barros

Alagoas chora nesta sexta-feira a morte do jornalista e mestre Elinaldo Barros

Alagoas, Personalidades
Morreu nesta sexta-feira, 23, o jornalista, escritor, critico de literatura e cinema, Elinaldo Barros, 74 anos, formador de várias gerações de profissionais da imprensa alagoana. Ele sofria do mal de parkinson e sua morte aconteceu no Hospital da Unimed, na madrugada. O notório conhecimento de Elinaldo nesse meio  o tornou um patrimônio cultural do Estado. No jornal, rádio e na televisão ele foi figura de destaque, com simplicidade e muita competência em suas crônicas sobre o cinema ou da vida cultural brasileira. Trabalhou em todos os veículos de comunicação de Alagoas, como editor do Caderno 2, espaço reservado para a cultura e o entretenimento. Elinaldo foi um mestre respeitado por todos os profissionais de imprensa com quem conviveu. Sua morte deixa Alagoas muito menor. De
Renan Filho  com 76% de aprovação e Bolsonaro em queda livre: 61% de desaprovação em Alagoas

Renan Filho com 76% de aprovação e Bolsonaro em queda livre: 61% de desaprovação em Alagoas

Blog, Marcelo Firmino
O governador Renan Filho (MDB) tem razões de sobra para rir à toa, a julgar pela mais recente pesquisa de opinião pública que recebeu em seu gabinete. Segundo o Ibrape, instituto de pesquisa alagoano, 76% da população no Estado aprova a gestão de Renan Filho. E o sorriso do governador estampou quando os números disseram que 61% desaprova o governo de Jair Bolsonaro. No comparativo em relação à gestão Federal, o chefe do Governo de Alagoas, praticamente, atropelou o presidente Bolsonaro, o que demonstra o reconhecimento do alagoano à gestão estadual. Ou seja, Enquanto Renan Filho demonstra fôlego renovado na reta final do mandato, o presidente da República aparece em queda livre de popularidade. Os números ainda revelam que a rejeição de Bolsonaro em Alagoas está em uma cres
Bloco liderado por Nogueira e Arthur Lira agora domina tudo e mantém Bolsonaro refém

Bloco liderado por Nogueira e Arthur Lira agora domina tudo e mantém Bolsonaro refém

Brasil
Trocado pelo  presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira, o general Luiz Eduardo Ramos, Chefe da Casa Civil, reagiu ao perder o status de ministro do governo: -Fui atropelado por um trem. -Disse o militar. Ramos não queria deixar o cargo de Ministro da Casa Civil e se chateou, por que   o Centrão exigiu de Bolsonaro: "Ou dá ou desce". Nogueira e o deputado Arthur Lira são os líderes do Centrão, bloco que hoje faz o governo de refém, diante da fragilidade e impopularidade do presidente. Com isso, o Centrão que já dominava as ações do governo, inclusive com direito a manipular o "orçamento paralelo" de R$ 11 bilhões, passa a agora a ampliar seus espaços dentro do Palácio do Planalto. Corrupção - Ciro Nogueira (PP-PI) é velho conhecido da justiça e está denunciado pela P
Centrão: depois do fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões um orçamento paralelo de R$ 11 bi

Centrão: depois do fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões um orçamento paralelo de R$ 11 bi

Blog, Marcelo Firmino, Política
Se em 2021 o "orçamento paralelo", criado presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) foi de R$ 3 bilhões, em 2022, ano eleitoral, a cria vai voar para R$ 11 bilhões. Segundo o jornal O Globo, o presidente da Câmara teria  criado um esquema de “castas” para distribuir o dinheiro com os deputados. Trata-se, a rigor,  da nova modalidade de "mensalão". Assim como a praticada no primeiro governo de Luis Inácio Lula da Silva (PT). O deputado Arthur Lira chegou à presidência da Câmara sem esconder suas propostas. Ele chegou a defender a desvinculação total do Orçamento da União. -Eu quero desvincular o Orçamento. Hoje, você tem Orçamento que bota 25% pra educação, 30% pra saúde, “x” para penitenciárias, vem todo carimbadinho. Então, de 100% do Orçamento, 96% você não
Se o processo eleitoral hoje é fraudulento, Bolsonaro pode ser uma fraude

Se o processo eleitoral hoje é fraudulento, Bolsonaro pode ser uma fraude

Blog, Marcelo Firmino
Nos constantes ataques  à democracia no País, Jair Bolsonaro diz que o processo eleitoral no qual ele se elegeu é fraudulento. Diz isso e a maioria dos parlamentares eleitos no mesmo sistema para o Congresso Nacional, também silencia como se conivente estivesse com a acusação sem provas alguma. Mas, há que se observar que se o processo é fraudulento, Bolsonaro e todos os outros que o acompanham estão metidos na fraude até o pescoço. O pior é que na sua cruzada autoritária, antidemocrática e tosca, Bolsonaro volta a atacar o  presidente da corte eleitoral, ministro Luis Roberto Barroso. E ainda diz que só Deus o tira da cadeira de presidente, como se santo fosse. É um ataque atrás do outro e os líderes do parlamento acham que tudo está normal no Brasil, nessa cruzada de retr
Flávio Bolsonaro manda recado a Renan: ‘o caso agora é pessoal’, ameaçou

Flávio Bolsonaro manda recado a Renan: ‘o caso agora é pessoal’, ameaçou

Blog, Marcelo Firmino, Política
Filho de Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) mandou um recado ao relator da CPI da Covid-19, Renan Calheiros (MDB-AL). -O caso com ele agora é pessoal. -Foi o que disse a outros senadores e interlocutores, segundo o jornalista brasiliense Guilherme Amado. Se o caso é pessoal, que o senador alagoano se previna. O senado já tem precedentes criminoso em plenário. É fato. Exatamente em 1963,  quando o pai do senador Fernando Collor, então senador alagoano Arnon de Mello, sacou da cintura seu  Smith Wesson 38 e, na tentativa de matar o também alagoano Silvestre Péricles, baleou e matou o senador Jose Kairala, do Acre. Mas hoje, nesse Brasil sombrio, não se sabe até onde vai "o caso pessoal" do senador carioca contra o senador alagoano. Contudo,  vale lembrar que
Reforma eleitoral de Lira afrouxa punição para deputados e senadores e reduz mulheres

Reforma eleitoral de Lira afrouxa punição para deputados e senadores e reduz mulheres

Blog, Marcelo Firmino
Na esteira da fraqueza do governo e da maioria atrasada do parlamento brasileiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) segue a onda como o mais influente político da República, na atualidade, e investe numa reforma eleitoral mais que polêmica. Depois de passar a boiada com o aumento de R$ 2 bilhões para quase R$ 6 bilhões de Fundo Partidário, verba dos cofres públicos, a reforma pretendida por Lira prevê o afrouxamento de punição para deputados e senadores pelo mau uso do dinheiro público. Ou seja, é a reforma que já nasce torta e recheada de impunidade. Ela revoga o sistema eleitoral atual e centra fogo na instituição do Distritão, que acaba com a democrática  representatividade do sistema proporcional. Com o Distritão, em um quadro político onde  a co