29 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

COAF aponta movimentações financeiras suspeitas de empresa investigada na CPI da Covid-19

A Precisa Medicamentos movimentos em 4 meses mais de R$ 43 milhões

Precisa faturou mais de R$ 43 milhões, mas só registrou faturamento de R$ 17 milhões

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividade Financeira) apontou que a Precisa Medicamentos fez movimentações de “recursos incompatíveis com o patrimônio” no valor de R$ 43,7 milhões. As inconsistências apareceram em operações realizadas de fevereiro a junho de 2021.

A Precisa é a empresa brasileira que intermediou as negociações com a indiana Bharat Biotech, produtora da vacina Covaxin. A empresa está sendo investigada pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid desde que o servidor do Mistério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, denunciou irregularidades no contrato para compra da vacina. O contrato intermediado pela Precisa previa a aquisição de 20 milhões de doses do imunizante a um custo de R$ 1,6 bilhão.

Segundo o relatório entregue à CPI, ao qual a TV Globo teve acesso, a Precisa movimentou R$ 43,7 milhões em 4 meses, sendo que o faturamento anual da empresa é de R$ 17 milhões. Os depósitos mais expressivos foram feitos por um mesmo titular.

A empresa negou irregularidades. “Tratam-se de transações financeiras regulares, lícitas, entre empresas coligadas. Considerar isso ilegal é querer distorcer os fatos, eis que o conceito de transação atípica do Coaf não é necessariamente de operação financeira irregular” afirmou a assessoria da Precisa em nota.

Também foram identificados vários depósitos com valores inferiores a R$ 10.000 em uma conta da empresa 6M Participações, que tem Francisco Maximiano como sócio. Ele também é sócio-presidente da Precisa.

Outra conta da 6M movimentou R$ 66,57 milhões de setembro de 2020 a fevereiro de 2021, o que chamou atenção dos investigadores para uma possível fraude. “A movimentação financeira do período é, aparentemente, incompatível com a capacidade financeira presumida da empresa considerando o último faturamento informado de R$ 5.462,850,00”, consta no documento.

Ainda de acordo com o relatório, a empresa fez pagamentos suspeitos para entidades de outros ramos de atuação. “A empresa registra no CNPJ a atividade de apoio à gestão de saúde, no entanto, realizou diversos pagamentos a outras empresas atuante com administração imobiliária“, apontou.

CPI -As negociações de compra da vacina indiana Covaxin pelo governo federal são o novo foco de investigação da CPI da Covid no Senado. O colegiado apura a atuação do governo federal no combate à pandemia da covid-19.

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda, apresentaram aos senadores suspeitas de irregularidades no contrato da Covaxin. Afirmaram que houve pressões internas no Ministério da Saúde para que a vacina fosse aprovada.

Miranda afirma ter alertado o presidente Jair Bolsonaro em janeiro sobre as suspeitas de irregularidades nas negociações do imunizante. Em 20 de março, o deputado e seu irmão reuniram-se com o presidente.

O congressista disse ainda que Bolsonaro suspeitou de Ricardo Barros (PP-PR), atual líder do Governo na Câmara, e teria dito que pediria um inquérito na PF (Polícia Federal) sobre o contrato. Não há informações sobre um inquérito do tipo em andamento.