25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Mundo

Explosões separadas por seis horas mataram quase 300 pessoas na Sri Lanka

É o primeiro grande ataque à ilha do oceano Índico desde o fim de uma guerra civil, há dez anos

Igreja atacada em Negombo
Destruição, sapatos largados e manchas de sangue no chão de igreja atacada em Negombo, no Sri Lanka Imagem: Reuters

Três cidades do Sri Lanka, na Ásia, foram oito ataques a bomba contra quatro hotéis, três igrejas, enquanto cristãos celebravam o domingo de Páscoa, mais em um condomínio. O saldo foi de ao menos 290 mortos e 500 feridos.

É o primeiro grande ataque à ilha do oceano Índico desde o fim de uma guerra civil, há dez anos. Entre as vítimas, há ao menos 30 estrangeiros. Já foram confirmadas as mortes de três britânicos, três indianos, dois norte-americanos, dois turcos e um português.

Na noite de sábado (20) no Brasil, por volta das das 8h45 deste domingo em Sri Lanka, teve início as explosões coordenadas, o que indicam uma ação terrorista conta vários fiéis que comemoravam o Domingo da Ressurreição.

“Cenas horríveis. Vi membros amputados derramados por todos lados. Equipes de emergência estão espalhadas em todos os pontos. (…) Levamos muitas vítimas para o hospital, esperamos ter salvado muitas vidas”. Harsha Silva, Ministro para Reformas Econômicas do Sri Lanka.

Imagens divulgadas pela imprensa local mostram a magnitude da explosão em pelo menos uma das igrejas, com o teto do templo semidestruído, escombros e corpos espalhados enquanto o povo tenta socorrer os feridos.

Os fiéis comemoravam hoje o Domingo da Ressurreição, o dia mais importante dentro dos ritos da Semana Santa. Os ataques contra minorias religiosas na ilha vêm se repetindo, os últimos de relevância em 2018, quando o Governo teve que declarar estado de emergência depois de confrontos entre muçulmanos e budistas.

Um homem-bomba esperou pacientemente na fila do bufê de café da manhã do Cinnamon Grand Hotel, em Colombo, no Sri Lanka, antes de se explodir, informou um gerente.

Segundo o gerente, que manteve a anonimato, o homem se registrou na véspera como hóspede como Mohamed Azzam Mohamed. Ele carregava um prato e estava prestes a se servir quando houve a detonação

“Foi um caos total. Era 8h30 e estava cheio. Eram famílias. Um dos nossos funcionários, que recebia os hóspedes, foi um dos mortos.”. Gerente do Cinnamon Grand Hotel.

No Sri Lanka a população cristã representa 7%, enquanto os budistas são cerca de 70%, os hinduístas 15% e os muçulmanos 11%.

Linha do tempo

Veja abaixo a linha do tempo (no horário Sri Lanka) das explosões e dos ataques – muitos deles causados por homens-bomba.

  • 8h45 – Explosão no hotel Shangri La, em Colombo.
  • 8h45 – Explosão no Santuário de Santo Antônio, em Colombo.
  • 8h45 – Explosão na igreja de São Sebastião, em Negombo.
  • 8h45 – Explosão no hotel Kigsbury, em Colombo.
  • 8h45 – Explosão no Cinnamon Grand Hotel, em Colombo.
  • 9h05 – Explosão na igreja Zion, em Batticaloa.
  • 11h30 – Reunião do Conselho de Segurança de Emergência é feita realizada pelo primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe.
  • 11h40 – Governo decide fechar escolas em todo o país por dois dias.
  • 12h15 – Presidente Maithripala Sirisena pede para que a população tenha calma.
  • 13h45 – Explosão no New Tropical Inn em Dehiwela, perto do zoológico nacional. Foi a sétima explosão.
  • 14h15 – Explosão em uma casa no bairro de Dematagoda, em Colombo, durante confronto policial (a oitava explosão). Três policiais morreram.
  • 14h20 – Autoridades fecham o zoológico nacional, em Dehiwela.
  • 14h30 – Governo bloqueia as principais redes sociais e serviço de troca de mensagens, como Facebook e WhatsApp.
  • 14h45 – É declarado toque de recolher em todo o país.
  • 16h00 – Todos os serviços de transporte param.
  • 16h30 – Governo declara o fechamento de todas as universidades públicas por tempo indefinido.
  • 17h00 – Reunião especial do gabinete, liderada pelo primeiro-ministro Wickremesinghe.
  • 17h20 – Polícia anuncia que número de mortos subiu para 207, assim como o de feridos chegou aos 450.
  • 19h00 – Polícia encontra uma van usada para transportar explosivos.
  • 19h15 – Chefe de turismo diz que 32 estrangeiros morreram e 30 ficaram feridos
  • 20h50 – Primeiro-ministro pede uma investigação sobre por que os serviços de inteligência falharam em agir, mesmo com um alerta prévio sobre os ataques.
  • 21h30 – Polícia diz que 13 pessoas foram presas, todas do Sri Lanka.
  • 22h30 – Um ataque a bomba contra uma mesquita e ataques incendiários contra duas lojas de donos muçulmanos são relatados em duas partes diferentes do país, segundo a polícia.
Parentes de vítimas
Parentes de vítimas que estavam na Igreja de Santo Antônio choram no necrotério, em Colombo Leia mais Imagem: Dinuka Liyanawatte/Reuters