26 de setembro de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Galba Novaes relata problemas psicológicos vividos por moradores de bairros atingidos pela Braskem

Deputado depende que mais recursos deveriam ser utilizado nas indenizações dos moradores e, consequentemente, de suas moradias

O deputado Galba Novaes (MDB) afirmou nesta quarta-feira (1º) que deu entrada na Casa em um requerimento solicitando uma audiência pública, a fim de discutir a atuação da Braskem no que se refere às indenizações aos moradores dos bairros de Maceió atingidos pelo desastre geológico que afundou o solo devido à extração de sal-gema.

O deputado disse que irá convidar o MPE, MPF, OAB/AL, representantes dos bairros atingidos, órgãos ambientais e Braskem.

“Tenho sido procurado por moradores destes bairros, que reclamam da morosidade e do desprezo da empresa com os mais de 60 mil moradores atingidos pela catástrofe. A situação por que passam os ex-moradores de Bebedouro, Pinheiro e Mutange e adjacência é constrangedora. Eles convivem com a falta de interação e de convívio com vizinhos e, muitas vezes, também com os familiares”. Galba Novaes.

Galba Novaes disse ainda ter informações que apenas 15 mil indenizações foram aprovadas e destas só cinco mil foram pagas.

“Um amigo me relatou o que vem sofrendo junto com sua família e o que já pensou em fazer com sua vida. Ele entrou em depressão e teve que fazer um tratamento sério. E esse não é um caso isolado, tenho conhecimento que mais de dez pessoas tentaram suicídio devido a falta de indenização”. Galba Novaes.

Por fim, o deputado disse que com a audiência, ainda sem data, a Assembleia Legislativa poderá colaborar na resolução deste grave problema, que atinge milhares de moradores da capital alagoana.

“A Braskem depositou R$ 30 milhões nos cofres da prefeitura de Maceió para construção de escolas que funcionavam nos bairros atingidos pelo afundamento e mais R$ 5 milhões para aluguel, enquanto as escolas são construídas. Sei da importância que é a educação para as crianças e adolescentes, mas esse dinheiro deveria ser utilizado nas indenizações dos moradores e, consequentemente, de suas moradias”. Galba Novaes.

Em aparte, o deputado Francisco Tenório (PMN) falou da importância do tema e de convidar para a audiência pública representantes do Tribunal de Justiça.

“O problema do bairro do Pinheiro está para Maceió assim como uma queimada de grandes proporções está para a Floresta Amazônica. Precisamos sensibilizar a Braskem para que indenize as pessoas o mais rápido possível e depois transforme aquela área numa reserva florestal”. Francisco Tenório.