18 de abril de 2024Informação, independência e credibilidade
Maceió

Greve em Maceió: Servidores impedem entrada na secretaria de Economia

No terceiro dia de paralisação, Sinteal barrou a movimentação na entrada do órgão público; Categoria quer do governo Rui Palmeira reajuste de 15,41%

O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Municipais de Maceió realiza, neste momento, ato público na secretaria municipal de Economia, do Governo Rui Palmeira, no Centro da Capital.

Tomando café da manhã na porta do prédio, manifestantes impedem a entrada de funcionários. Eles seguram faixas e gritam palavras de ordem na calçada, exigindo respostas da prefeitura sobre a pauta de reivindicações.

A categoria está sem reajuste há dois anos e cobra reposição das perdas salariais. Eles buscam um reajuste de 15,41%, mas o Município garante apenas 3%, um limite que seria imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Greve

Apenas 50% dos servidores públicos estão trabalhando no Município de Maceió, desde esta terça-feira (17). A categoria decidiu pela Greve Geral por tempo indeterminado após não aceitar o aumento salarial proposto.

“A greve é a única forma de cobrar o nosso direito. Estamos desde 2014 com perdas inflacionárias e a proposta que o prefeito oferece, contempla apenas IPCA de 2017 e ainda não consagra a data-base”, declarou à época o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Maceió (Sindspref), Sidney Lopes.

“O prefeito Rui Palmeira alega que está acima do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, mas nós sabemos que Maceió ainda está bem abaixo, o que permitiria o reajuste que reivindicamos. Afinal, estamos com os salários defasados desde 2015”, argumentou ele, lembrando que mensalmente gasta-se mais de oito milhões de reais com terceirizados.