20 de abril de 2021Informação, independência e credibilidade
Maceió

JHC discute com vereador envolvido em manifestação que interrompeu vacinação

Leonardo Dias, já fotografado bebendo ‘tonel de leite do Mito’, age como um “negador da pandemia”

Neste domingo, em todo o Brasil houve “manifestação em favor do governo Bolsonaro”. Em Maceió não foi diferente. Entretanto, o movimento teve a insensatez de marcar sua concentração em um dos postos de vacinação da Capital, no estacionamento do Jaraguá.

No local estavam armadas tendas da Prefeitura de Maceió para vacinação de idosos na faixa dos 75 anos, mas por causa da manifestação, idosos e seus familiares tiveram dificuldades para chegar ao local. Nem mesmo os profissionais de saúde tiveram a vida facilitada.

Ou seja: o domingo de vacinação no Jaraguá foi impedido por apoiadores do presidente, que no mesmo dia perdia seu terceiro ministro da Saúde durante esta pandemia. E o Brasil batia mais uma vez seu infeliz recorde semanal de mortes por Covid-19.

E uma presenças ilustres na manifestação foi a do vereador Leonardo Dias (PSD), líder dos segmentos da direita em Maceió. Dias, que se apresenta como um “católico, conservador, ativista político e fundador de Movimentos de Rua”, foi acusado, ainda que de forma indireta, pelo prefeito de Maceió, JHC, de atrapalhar o dia de vacinação.

O grupo de manifestantes, formado em sua maioria por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que também criticavam o STF, faziam sua “carreata defenda sua liberdade”, com concentração iniciada às 9h no estacionamento do Jaraguá. E o local onde foram concentrados seus veículos foi o maior motivo de crítica do prefeito:

Após o desabafo, o vereador Leonardo Dias tomou as dores. Na postagem de JHC no perfil do Instagram, Dias perguntou diretamente qual vereador teria patrocinado o ato e se o prefeito teria como comprovar essa afirmação.

JHC não recebeu as perguntas com calma.

O prefeito, dessa vez diretamente, acusou Dias de ser um ‘agitador’ que fez ‘arruaça’ em um manifesto que fechou a rua em um local de vacinação, impedindo a chegada de profissionais e idosos.

A troca de mensagens na caixa de comentários virou então mais uma triste troca de acusações, entre “direita e esquerda”, ao mesmo tempo que outros apenas lamentavam a situação.

Dias, no entanto, negou ter “patrocinado” o evento. Apesar de ser o maior expoente do bolsonarismo na Câmara de Maceió, com postagens que vão desde ataques ao uso de máscara ou até mesmo minimizando as preocupações com as mortes provocadas pelo novo coronavírus, o vereador negou ter “patrocinado” o evento deste domingo.

Em nota oficial, Leonardo Dias escreveu:

  1. Não fui o idealizador ou mesmo o organizador do ato.
  2. Publiquei os banners como cidadão, assim como centenas de pessoas o fizeram.
  3. Somente tomei conhecimento que a vacinação ocorreria nesse domingo, quando os Movimentos já haviam convocado para o ato.
  4. Estive no local de concentração como cidadão. Não estive no trio elétrico e sequer acompanhei a carreata.
  5. Quando observei que o volume de carro estava mais alto do que o esperado pelos organizadores, entrei em contato com os agentes de trânsito e tentamos minimizar o problema.

Negacionista

Não é o primeiro protesto com concentração no Jaraguá que Dias participa. No mês passado, em nova manifestação ao presidente, o vereador “mitava” nas redes sociais enquanto aparecia “bebendo um tonel de leite do Mito”. ‘Chora mais que tá pouco’, dizia ele.

Falando em “establishment”, agredindo a esquerda e com discursos reacionários, como chamar o João Doria, inimigo político do presidente, de ‘pedaço de fezes falante’, o vereador segue a linha editorial dos bolsonaristas, custe o que custar.

Perdendo-se no válido discurso que visa proteger a classe trabalhadora por causa dos efeitos do fechamento do comércio, com agressões, desinformações e mentiras (ele é contra o uso de máscaras e a favor de tratamento precoce contra Covid-19), Dias apenas alimenta o discurso que infelizmente só prolonga os efeitos da pandemia.

De forma indireta ou não, orgulhando-se de ser um expoente e comemorando os números de likes e retweets em suas postagens, deveria saber perfeitamente que defender essa retórica apenas piora a situação.

Quer sem máscara defender o presidente enquanto milhares morrem todos os dias? Fique a vontade, só não atrapalhe a vacinação. E se possível, repense os ataques às práticas que impedem o avanço do contágio. Já estamos há mais de um anonisso e qualquer pessoa sensata já deveria ter percebido a hora de virar a chave nesse discurso.