26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

Pastor Malafaia manda Eduardo Bolsonaro fechar a boca de asneiras

Pastor diz que o filho calado ajudaria mais o governo do pai

Um dos principais apoiadores da campanha de Jair Bolsonaro à Presidência da República, o pastor Silas Malafaia censurou o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) por ter dito que tem “vergonha” dos brasileiros que vivem ilegalmente fora do país. Para Malafaia, Eduardo ajudaria muito mais o governo do pai se mantivesse a “boca fechada” e parasse de “falar asneira”.

Silas Malafaia

@PastorMalafaia

O FILHO DO PRESIDENTE, Eduardo Bolsonaro, ajudaria muito mais ao governo do seu pai, parando de falar asneira. Poderia ter ficado de boca fechada na questão dos imigrantes ilegais brasileiros. Não conhece a realidade da questão. A maioria, quase q absoluta , vai para trabalhar

2.273 pessoas estão falando sobre isso

Silas Malafaia

@PastorMalafaia

EU SOU EXATAMENTE AO CONTRÁRIO DO QUE PENSA EDUARDO BOLSOBARO > Não tenho vergonha dos brasileiros ilegais q estão em diversas nações poderosas. Ñ são vagabundos nem pilantras, pelo contrário, trabalhadores q foram tentar a vida fugindo do desemprego.ISSO É A MAIORIA DELES!

2.210 pessoas estão falando sobre isso

Os comentários levaram o nome de Malafaia à lista dos assuntos mais comentados do Twitter no Brasil. A maioria das menções é de apoio às declarações do pastor e crítica ao posicionamento de Eduardo. Esta é a segunda vez em pouco mais de duas semanas que o líder religioso repreende o filho do presidente. A primeira foi no início do mês, quando cobrou “compaixão” do parlamentar do PSL por causa da morte de um neto do ex-presidente Lula.

Malafaia: censura pública a filho de Bolsonaro

Recém-eleito presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara defendeu a revogação da exigência de visto para cidadãos norte-americanos entrarem no Brasil e a manutenção da obrigatoriedade para brasileiros entrarem nos Estados Unidos. Em outubro, ele saiu das urnas como o deputado federal mais votado da história do país, com 1,8 milhão de votos.

“Um brasileiro ilegalmente fora do país é um problema do Brasil, isso é vergonha nossa, para a gente. Um brasileiro que vai para o exterior e comete qualquer tipo de delito, eu me sinto envergonhado”, afirmou o deputado, em Washington, após participar de encontro promovido por Steve Bannon, ex-estrategista eleitoral do presidente Donald Trump, em evento prévio à visita oficial de Bolsonaro aos Estados Unidos.

Para ele, não faz sentido cobrar reciprocidade dos Estados Unidos em relação à exigência de visto. “A pergunta que eu faço é o seguinte: quantos americanos vão aproveitar essa brecha e vir morar ilegalmente no Brasil? Agora vamos fazer a pergunta contrária: se os EUA permitirem que brasileiros entrem lá sem visto, quantos brasileiros vão para os Estados Unidos, sem visto se passando por turista, e vão passar a viver ilegalmente aqui?”. “Será que estou falando algum absurdo em dizer que, sem a necessidade de um visto, várias pessoas entrariam nos EUA de maneira ilegal e ilegalmente permaneceriam lá? Eu acredito que não”, emendou o filho do presidente.