24 de janeiro de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

SBI: Hidroxicloroquina deve ser retirada ‘com urgência’ do tratamento

A Sociedade Brasileira de Infectologia se baseia em estudos recentes sobre a ineficácia da droga

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) alertou hoje que o país deve retirar “imediatamente e com urgência” a hidroxicloroquina de todas as fases do tratamento do novo coronavírus. A cobrança foi escrita com base em estudos recentes sobre a ineficácia da droga contra a covid-19.

A entidade demanda que o Ministério da Saúde, os estados e municípios reavaliem suas orientações de tratamento, “não gastando dinheiro público em tratamentos que são comprovadamente ineficazes e que podem causar efeitos colaterais”, afirma a SBI em nota.

Além disso, a Sociedade Brasileira de Infectologia cobra que estes recursos financeiros, tecnológicos e humanos sejam empregados em tratamentos que são comprovadamente eficazes e seguros para pacientes com coronavírus, como os listados abaixo:

  • Anestésicos para intubação orotraqueal de pacientes que precisam ser submetidos à ventilação mecânica;
  • Bloqueadores neuromusculares para pacientes que estão em ventilação mecânica;
  • Aparelhos que permitem diagnóstico precoce da covid grave, como oxímetros para diagnóstico de hipóxia silenciosa;
  • Testes diagnósticos de RT-PCR da nasofaringe para pacientes sintomáticos;
  • Leitos de Unidade de Terapia Intensiva;
  • Recursos humanos (profissionais de saúde) e respiradores.

Um estudo publicado pela revista médica da ACP Journals (American College of Physicians), por exemplo, avaliou pacientes com coronavírus em 40 estados americanos e três províncias do Canadá; o grupo que fez uso da hidroxicloroquina não teve qualquer benefício clínico a mais do que os que receberam placebo.

Outra pesquisa feita na Espanha e publicada pela revista acadêmica de Oxford, no Reino Unido, mostrou que não houve benefício virológico (redução da carga viral na nasofaringe) ou clínico (redução da duração dos sintomas e da hospitalização) em pacientes que tiveram administração de hidroxicloroquina.

“Com essas evidências científicas, a SBI acompanha a orientação que está sendo dada por todas as sociedades médicas científicas dos países desenvolvidos e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) de que a hidroxicloroquina deve ser abandonada em qualquer fase do tratamento da covid-19”. Nota SBI.

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro voltou atrás mais uma vez. E nesta semana pegou mais leve no discurso fervoroso que vinha fazendo em defesa da hidroxicloroquina.

“Eu não recomendo nada, eu recomendo que você procure seu médico e converse com ele. O meu, no caso, médico militar, foi recomendado hidroxicloroquina”. Jair Bolsonaro, presidente.

Claro, Bolsonaro sendo Bolsonaro, deixou escapar nas nuances que “no caso dele” e de “muita gente” esse medicamento de “custo baratíssimo” deu certo, mas tem “muitas pessoas contra”, parece que “por questões ideológicas”.

“Sabemos que não tem nenhuma comprovação científica, mas deu certo comigo. No mais, não existe nenhum medicamento ainda no mundo que tenha comprovação científica constatada. Então, é uma situação de observação, que deu certo comigo, deu certo com muita gente. Muitos médicos dizem que a hidroxicloroquina funciona. Não estou fazendo nenhuma campanha para o medicamento, afinal de contas, o custo é baratíssimo e, talvez, por causa disso, que tem muitas pessoas contra. E outras, parece, por questões ideológicas, parece”. Jair Bolsonaro.