29 de novembro de 2021Informação, independência e credibilidade

Tag: Wajngarten

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites ilegais de jogo do bicho, em russo e infantis

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites ilegais de jogo do bicho, em russo e infantis

Brasil
O ministro Vital do Rêgo, do TCU (Tribunal de Contas da União), determinou nesta sexta-feira (10) que o governo Jair Bolsonaro cesse imediatamente a destinação de recursos de publicidade para sites e canais que promovem atividades ilegais ou cujo conteúdo não tenha relação com o público-alvo de suas campanhas. A decisão foi tomada após a Folha revelar em maio que a verba oficial da propaganda da reforma da Previdência irrigou sites e canais na internet de jogo do bicho, em russo e infantis. As informações constam de planilhas da antiga Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República), agora abrigada no recriado Ministério das Comunicações. O órgão, então comandado pelo secretário Fabio Wajngarten, contratou agências de publicidade que compram espaços por meio do G
Site de Fake News perde patrocínios e Governo age para BB manter financiamento

Site de Fake News perde patrocínios e Governo age para BB manter financiamento

Brasil
Alagoas, Brasil e praticamente todo mundo: não há um local livre de fake news, termo que floreia o conceito de pós-verdade: a informação com mentira. Este é um universo complexo, que se aproveita da falta de atenção do indivíduo ou sua necessidade de topar com um "fato" mais fácil de aceitar. Mas ainda assim, é possível categorizar em pelo menos três grupos os tipos de pessoas que praticam este ato criminoso: Fazem pela anarquia: Há quem goste de causar caos ao espalhar mentiras. E estes devem ter um certo prazer em ver muita gente caindo na lorotas que criam. Sejam elaboradas ou não. Fazem pelo dinheiro: Há uma indústria por trás disse. E inventar história acaba atraindo números valoroso para sites de cunho duvidoso, que espalham fake news e ganham muito dinheiro com as vis
Chefe da Secom que viajou aos EUA com Bolsonaro testa positivo para coronavírus

Chefe da Secom que viajou aos EUA com Bolsonaro testa positivo para coronavírus

Brasil
Sophie Wajngarten, mulher do secretário de Comunicação do governo federal, Fábio Wajngarten, afirmou nesta quinta-feira (12) no grupo de WhatsApp das mães da escola onde estudam suas filhas que seu marido fez o teste do coronavírus e o deu positivo. O Palácio do Planalto deve soltar um comunicado ainda nesta quinta (12). Os ministros e assessores que viajaram com Bolsonaro já estão sendo monitorados, além do próprio presidente. Nesta quinta-feira, 12, o presidente cancelou viagem ao Rio Grande do Norte. O ministro do desenvolvimento regional, Rogério Marinho, afirmou que o evento oficial foi cancelado por "razões de segurança sanitária". Participaram da comitiva aos Estados Unidos, entre sábado e terça-feira, os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Augusto Heleno (Gabi
Corrupção e peculato na Ascom de Bolsonaro: PF abre inquérito para investigar Wajngarten

Corrupção e peculato na Ascom de Bolsonaro: PF abre inquérito para investigar Wajngarten

Brasil
A Polícia Federal abriu inquérito para investigar suspeitas sobre o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten. A medida atende a um pedido feito na semana passada pelo MPF (Ministério Público Federal) em Brasília. O objetivo é apurar supostas práticas de corrupção passiva, peculato (desvio de recursos por agente público) e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados na administração pública). As penas previstas para os dois primeiros crimes variam de 2 a 12 anos de prisão, além de multa. No último caso, aplica-se detenção de um mês a um ano. A investigação ficará a cargo da Superintendência da PF em Brasília. O caso correrá em sigilo. A solicitação do MPF foi feita a partir de representações apresentadas por
MPF: PF precisa investigar Wajngarten por corrupção e peculato

MPF: PF precisa investigar Wajngarten por corrupção e peculato

Brasil
O Ministério Público Federal em Brasília pediu à Polícia Federal a abertura de inquérito criminal para investigar suspeitas sobre o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República), Fabio Wajngarten. O MPF quer apurar supostas práticas de corrupção passiva, peculato (desvio de recursos públicos feito por funcionário público, para proveito pessoal ou alheio) e advocacia administrativa (patrocínio de interesses privados na administração pública, valendo-se da condição de servidor). As penas previstas para os dois primeiros crimes variam de 2 a 12 anos de prisão, além de multa. No último caso, aplica-se detenção de um mês a um ano. Mamata Fabio Wajngarten fez mudanças na estratégia e privilegiou na distribuição de verbas TVs sobre a reforma da Previdê
Secom da Presidência da República privilegia clientes de Wajngarten e TVs religiosas

Secom da Presidência da República privilegia clientes de Wajngarten e TVs religiosas

Política
Fabio Wajngarten, responsável pela Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) fez mudanças na estratégia e privilegiou na distribuição de verbas TVs sobre a reforma da Previdência, a maior e mais cara campanha de publicidade do Planalto, clientes de uma empresa do secretário e emissoras religiosas. Todas apoiadoras do presidente Jair Bolsonaro. Na primeira fase da campanha, de R$ 11,5 milhões, veiculada de 20 de fevereiro a 21 de abril, o plano de mídia definiu que a TV mais contemplada com recursos seria a Globo nacional, líder de audiência e que atinge maior público. Entretanto, após Wajngarten assumir o cargo em abril, a Secom mudou a orientação. Na segunda etapa da campanha, o plano de mídia excluiu a Globo nacional da lista de contratadas, mantendo