14 de julho de 2024Informação, independência e credibilidade
Justiça

Com visita ao local do crime, programação do Júri Épico é iniciada no Sertão de Alagoas

Durante a cerimônia de abertura, advocacia alagoana celebrou a cultura nordestina e o Direito; cangaceiro Corisco será julgado pela chacina que vitimou seis pessoas da mesma família

Durante a cerimônia de abertura, advocacia alagoana celebrou a cultura nordestina e o Direito; cangaceiro Corisco será julgado pela chacina que vitimou seis pessoas da mesma família

Teve início, nesta sexta-feira (12), no município de Piranhas, no Sertão de Alagoas, a programação do Júri Épico do cangaceiro Corisco, que ficou conhecido por ser do bando de Lampião. O evento está sendo realizado em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL) e conta com a participação de grandes nomes da advocacia do estado. É a primeira vez que um Júri Épico acontece em Alagoas.

A programação começou com uma visita técnica à Fazenda Patos, local onde aconteceu a chacina que vitimou seis membros da Família Ventura, crime que teria sido orquestrado por Corisco. A visita propôs um reconhecimento do espaço onde o fato se concretizou, indo até a casa em que a família morava e ao local onde as seis pessoas foram mortas. Membros da defesa, da acusação e o público que vai assistir ao julgamento tiveram a oportunidade de obter mais detalhes sobre o fato.

No decorrer da visita, houve a leitura de um texto sobre o assassinato e a denúncia, contextualizando a história do crime de Corisco para aqueles que ainda não a conheciam. O cangaceiro que é réu no Júri Épico teria recebido a informação de que um dos membros da família, Domingos José Ventura, havia dedurado o bando de Lampião para a polícia. Corisco e seu grupo, formado por oito homens, foram até a fazenda vingar Lampião, matando seis das 11 pessoas da família que estavam no local. De acordo com a história, eles eram inocentes. Nesta sexta-feira, ainda durante a visita, foram ouvidos representantes da acusação no julgamento e, inclusive, uma advogada que tem parentesco com a Família Ventura, vítima do crime.

Também neste primeiro dia, os participantes tiveram a oportunidade de assistir a palestras, que antecedem o começo do julgamento, previsto para este sábado (13). Diversos advogados e profissionais da área jurídica discursaram sobre assuntos relacionados ao Direito, à história e ao cangaço. Foram realizados mais de 6 painéis.

É a primeira vez que o Júri Épico acontece em Alagoas, todas as outras 5 edições foram realizadas em Petrolina, no estado de Pernambuco.

Durante a abertura do Júri Épico, a vice-presidente da OAB Alagoas, Natália Von Sohsten, ressaltou a importância do evento e a participação dos estudantes de Direito e da advocacia alagoana no encontro.

“É um evento muito marcante para a história da OAB e a advocacia alagoana. Esperamos que todos saiam do Júri Épico impactados com conhecimento jurídico, mas também com conhecimento da cultura nordestina, da história. O júri é o momento do Direito em que se congrega a arte e o mundo jurídico. Com esse evento, certamente todos sairão mais capacitados e preparados, especialmente aqueles que atuam no tribunal do júri”, falou.

O diretor da Escola Superior de Advocacia (ESA), José Marques, enfatizou a alegria de testemunhar o Júri Épico no estado.

“É, sem dúvidas, um marco muito importante. É um reforço para a cultura nordestina e o povo sertanejo, e nada mais justo que a OAB, que está cada vez mais próxima do interior, esteja também presente no Sertão de Alagoas, promovendo cursos, palestras e esse grandioso evento, que ultrapassa as barreiras do Direito. Aqui estamos tratando de cultura nordestina, de história, vai além das normas”, destacou.

No espaço do evento, os participantes puderam ainda adquirir mais conhecimento com lojas de livros, que trouxeram diversos exemplares sobre os temas debatidos durante o Júri Épico, inclusive, obras sobre a história de Corisco e seu bando.