25 de julho de 2021Informação, independência e credibilidade
Alagoas

Covid-19: Senai doa a hospitais “capacetes” que permitem tratamento não invasivo da doença

Equipamento também garante maior segurança aos profissionais de saúde.

Elmo reduz necessidade de internação de pacientes na UTI | Assessoria

Um equipamento bem-sucedido na recuperação de pacientes com Covid-19 e que pode reduzir a necessidade de internação em leitos de UTI em 60%, foi entregue pelo Senai Alagoas a dois hospitais de Maceió, numa parceria com o Senai Ceará.

O capacete de respiração assistida não invasiva do projeto Elmo é acomodado ao pescoço do paciente, permitindo ofertar oxigênio a uma pressão definida, ao redor da face, sem necessidade de intubação.

Duas unidades foram entregues ao Hospital do Coração e outras três ao Hospital Arthur Ramos. “O equipamento é muito importante para salvar vidas e é fruto da atuação tecnológica do Senai, por meio de pesquisa aplicada, que gera mais um produto inovador para a sociedade”, ressaltou o gerente de Tecnologia do Senai/AL, Welton Barbosa.

Funcionamento

Usando o capacete desenvolvido por uma equipe multidisciplinar, que incluiu técnicos do Instituto Senai de Tecnologia do Ceará, o paciente respira com auxílio da pressurização e oferta de oxigênio. O sistema possibilita a melhora na respiração e pode ser utilizado fora de leitos de UTI.

Exemplares foram doados a hospitais de Maceió | Assessoria

O Elmo pode ser reutilizado após processo de esterilização e tem custo inferior em relação aos respiradores mecânicos. Ele ainda oferece maior segurança aos profissionais de saúde, já que, por ser vedado, impede a proliferação de partículas de vírus.

A criação do capacete hiperbárico, uma iniciativa da Escola de Saúde Pública do Ceará, reuniu diversos profissionais, entre médico pneumologista e intensivista, fisioterapeutas, técnicos em usinagem e ferramentaria, designer industrial e engenheiros nas áreas clínica, civil, mecânica e de produção.

Com a eficácia comprovada, o equipamento chega a uma nova etapa. Sua produção será em escala industrial. A Esmaltec, empresa do Grupo Edson Queiroz, vai fabricá-lo e comercializá-lo.