25 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Maceió

Destaque nacional: Relatório recomenda plano de emergência no Pinheiro

Bairro da Capital está afundando e apresenta rachaduras e já se recomenda criar rotas de fuga

O bairro do Pinheiro, em Maceió, ganhou destaque infame e preocupante em todo o Brasil. Uma matéria no Jornal Nacional desta quinta (10) mostrou detalhes de um relatório do Serviço Geológico do Brasil, vazado, em que se recomenda um plano de emergência para atender os moradores do local. O bairro está afundando e apresenta rachaduras e já foi decretada situação de emergência..

O relatório, ainda parcial, foi entregue ao Ministério Público Federal em Alagoas (MPF-AL) em dezembro de 2018 e recomenda que os moradores sejam treinados para, em caso de urgência, esvaziem o local imediatamente e seja estabelecido rotas de fuga.

Além disso, também é ressaltado que os serviços públicos de emergência, como Corpo de Bombeiros e hospitais estejam preparados para uma eventual catástrofe.

“Já discutimos entre a esfera federal, estadual, municipal. O plano de contingência já está pronto, todo montado. Vai ser apresentado essa semana para a Segurança Pública e os coordenadores que vão tomar conta das suas áreas”. Dinário Lemos, coordenador da Defesa Civil de Maceió.

As causas das rachaduras e do afundamento do bairro ainda são desconhecidas e entre as explicações para os problemas estruturais da região estão:

  • o surgimento de uma dolina (deslizamento de terra subterrâneo que forma uma cratera);
  • a localização do bairro em uma área tectonicamente ativa;
  • a exploração de salgema na região.

Mesmo com o solo cedendo, muitos moradores se recusam a deixar suas casas. Muitos não tem pra onde ir e nesta semana a Secretaria Adjunta Especial de Defesa Civil iniciou o cadastro de famílias no bairro Pinheiro para a inclusão na ajuda humanitária em decorrência das fissuras na região, processo que prevê o auxílio moradia concedido pelo Governo Federal.

Rachaduras

prefeito Rui Palmeira foi até Brasília, em novembro, para buscar mais apoio da União para o bairro do Pinheiro. Ele se reuniu no Ministério da Integração Nacional, com representantes de órgãos federais, onde solicitou recursos e a continuidade dos estudos para identificar as causas das rachaduras que afetam imóveis e vias públicas na região.

A região foi a que mais sofreu com o abalo sísmico no início de 2018. No dia 3 de março, um forte tremor foi sentido nos bairros do Bebedouro, Cruz das Almas, Jatiúca, Farol, Feitosa, Pinheiro e Serraria na capital Alagoana.

O acontecimento incomum provocou pânico em moradores, que chegaram a evacuar prédios, casas e foram para as ruas assustados. Os relatos de maior tremor foram no Pinheiro, onde até mesmo moradores em casas sentiram o evento. Nos demais bairros, só os que estavam em apartamentos.

No local, já está declarado situação de emergência.