24 de junho de 2021Informação, independência e credibilidade
Brasil

Líder do governo Bolsonaro é indiciado pela PF por propinas de R$ 10 milhões no Nordeste

Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) faz parte da tropa de choque na CPI e levanta a bandeira do “corrupção mata” ao tentar defender o presidente

A Polícia Federal indiciou o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo de Jair Bolsonaro no Senado, e seu filho, o deputado Fernando Coelho Filho, por suspeita dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsidade ideológica e omissão de prestação de contas.

A delegada do caso afirma em seu relatório final de 300 páginas ter encontrado indícios que demonstram que pai e filho receberam R$ 10,4 milhões das empreiteiras OAS, Barbosa Mello, S/A Paulista e Constremac entre os anos de 2012 e 2014.

Os pagamentos, diz a PF, são vantagens indevidas porque foram “realizadas em contrapartida à execução de obras atreladas ao Ministério da Integração Nacional” no governo de Dilma Rousseff (PT), à época comandado pelo atual líder do governo. O senador ocupou o cargo de ministro entre janeiro de 2011 e outubro de 2013.

Uma das obras citadas é a transposição do rio São Francisco, em que todas as empresas atuavam como contratadas. O indiciamento é um desdobramento do inquérito aberto pela PF com base no acordo de colaboração de operadores financeiros pernambucanos que atuavam no financiamento e também na intermediação de repasses ao grupo político do senador.

O indiciamento é um desdobramento do inquérito aberto pela PF com base no acordo de colaboração de operadores financeiros pernambucanos que atuavam no financiamento e também na intermediação de repasses ao grupo político do senador.

Além do indiciamento, a delegada pede no relatório o bloqueio de R$ 20 milhões em bens do senador e do filho dele.O valor foi estimado como “o proveito econômico por eles auferidos com as práticas criminosas” comprovadas, segundo a PF.

A defesa do senador afirma que “o relatório final do Inquérito 4513 não passa de opinião isolada de seu subscritor, que, inclusive, se arvora em atribuições que sequer lhe pertencem, sem qualquer força jurídica vinculante”. Segundo os advogados André Callegari e Ariel Weber, a investigação “é mais uma tentativa de criminalização da política, como tantas outras hoje escancaradas e devidamente arquivadas”.

Corrupção mata

Fernando Bezerra Coelho é integrante da tropa de choque bolsonarista na CPI da Pandemia. Defensor do depoimento de prefeitos e governadores por desvios de recursos federais, Coelho levanta a bandeira do “corrupção mata”.

Além disso, em todas as sessões ele faz requisições para que o Consórcio Nordeste se explique sobre a compra frustrada de respiradores com uma empresa que produz medicamentos a base de canabidiol, que ele diz ser “da indústria da maconha”.