18 de maio de 2022Informação, independência e credibilidade
Política

Lula fala em pressionar deputados em 2023 e bolsonaristas ameaçam com armas

Ex-presidente sugeriu que militância dialogasse com familiares de deputados nas casas deles; Zambelli e Junio Amaral prometeram receber com balas

Em evento da CUT (Central Única dos Trabalhadores) no início dessa semana, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu que a militância sindical procure deputados e seus familiares na casa deles para pressionar, a favor de propostas que interessam ao setor, em um eventual governo petista, a partir de 2023.

“Se a gente mapeasse o endereço de cada deputado e fossem 50 pessoas na casa, não é para xingar não, é para conversar com ele, com a mulher dele, com o filho dele, incomodar a tranquilidade dele, surte muito mais efeito do que fazer a manifestação em Brasília”. Lula.

E a sugestão, para um 2023 em eventual governo de Lula, não foi nada bem recebida por parlamentares bolsonaristas. Pelo menos dois ameaçaram usar armas caso suas famílias sejam abordadas por militantes petistas.

Um foi o deputado federal Junio Amaral (PL-MG), que chegou a postar um vídeo carregando uma pistola, enquanto explica onde fica sua casa, em Contagem (MG).

“Vou esperar vocês lá. Tanto sua turma, como você. Vai lá conversar com a minha esposa, com a minha filha. Vocês serão muito bem-vindos”.

Outra foi a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) prometeu “pregar bala” em militantes que “mexerem” com o filho e avisou, também em vídeo, que na casa dela vigora a legítima defesa.

A reação do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) foi mais leve. Ele divulgou a fala do ex-presidente nas redes sociais com as hashtags #ptnuncamais e #lulanacadeia e outras em defesa do pai, o presidente Jair Bolsonaro (PL).