24 de junho de 2021Informação, independência e credibilidade
Política

Renan Calheiros promete ‘cruzada contra agenda da morte’ na CPI

Relator fez paralelo da situação no Brasil com um crime contra a humanidade e mencionou ditadores como Milosevic e Augusto Pinochet

O senador Renan Calheiros, no papel de relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, criticou ações do governo federal, como a designação de militares à frente do Ministério da Saúde em meio à pandemia da covid-19. E afirmou que sya cruzada será “contra a agenda da morte”.

Ainda assim, o senador garantiu imparcialidade à frente do trabalho e negou que a CPI será uma “inquisição”. Mas falou que eventuais culpados devem “ser punidos imediatamente e emblematicamente”.

“Há responsáveis, evidentemente; há culpados por ação, omissão, desídia ou incompetência; e eles, em se comprovando, serão responsabilizados. Essa será a resposta para nos conectarmos com o planeta. Os crimes contra a humanidade não prescrevem jamais e são transnacionais. Milosevic e Augusto Pinochet são exemplos da história. Façamos a nossa parte”. Renan Filho.

Para Renan, o país tem direito de saber quem contribuiu para milhares de mortes e eles devem ser “punidos imediatamente e emblematicamente”. Ele também criticou fortemente o fato de um militar ter comandado o Ministério da Saúde no enfrentamento à pandemia, no caso, o general Eduardo Pazuello, e disse que o resultado fala por si só.

“A diretriz é clara: militar nos quartéis e médicos na saúde. Quando se inverte, a morte é certa, e foi isso que lamentavelmente parece ter acontecido. Temos que explicar como, por que isso ocorreu”. Renan Filho.

O senador reforça que a CPI investigará fatos, não nomes ou instituições, logo não é o Exército brasileiro que estará sob análise.. Renan também fez outras críticas indiretas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Renan citou ter “repugnância ao fascismo” ao dizer que intimidações “sob qualquer modalidade e arreganhos não nos deterão”. E, segundo o senador, a CPI será “santuário” da ciência.

“O negacionismo em relação à pandemia ainda terá de ser investigado e provado, mas o negacionismo em relação à CPI da Covid já não resta a menor dúvida”. Renan Filho.

Como relator, Renan será o responsável por elaborar um parecer da CPI, a ser avaliado também pelos pares. E aproveitou para ser irônico com Flávio Bolsonaro, senador que afirmou que a CPI provocaria aglomerações e matar senadores e assessores:

“Devemos comemorar a declaração do senador Flávio Bolsonaro. Afinal é a primeira vez que ele se preocupa com aglomeração. Deve estar deixando a posição negacionista da ciência”. Renan Filho.

Convocados

A CPI tem a intenção de convocar o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os três gestores anteriores da pasta. Um plano de trabalho, já levando em consideração pedidos de convocação e de requerimentos de informação, com sugestões de colegas, deve ser analisado nesta quinta (29).

Os trabalhos da CPI devem acontecer de forma semipresencial. A expectativa é que o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta compareça à CPI na próxima terça (4).

Além de ministros e ex-ministros, por exemplo, serão chamados a falar à CPI médicos, cientistas, laboratórios, agentes públicos, representantes de organizações de saúde e de conselhos de Medicina.Uma