2 de março de 2024Informação, independência e credibilidade
Maceió

Rui Palmeira aos servidores: “Prefeitura não pode dar mais que 3% de reajuste”

Categoria foi informada durante reunião na Câmara de Vereadores; Eles pedem reajuste de 15%

A Câmara Municipal de Maceió voltou a se reunir nesta quarta-feira (8) com os servidores públicos da capital na Associação Comercial, em Jaraguá, como ficou marcado semana passada. À categoria, informou o que prefeito Rui Palmeira (PSDB) disse após reunião nesta segunda-feira (6): “o Executivo não pode dar mais que os 3%, divididos em duas vezes”. Ou seja, nada de aumento salarial para as diversas categorias.

A mensagem chegou à Casa, mas sequer foi lida em Plenário, o que impede a sua tramitação nas Comissões Permanentes, onde receberá parecer, antes de ser votada pelos vereadores. A medida segue acordo firmado com o funcionalismo municipal, na semana passada, quando os servidores estiveram na Câmara e ouviram do presidente Kelmann Vieira (PSDB) que o Legislativo intermediaria o impasse e, até um posicionamento final, a matéria não iria ser apreciada.

Segundo os sindicatos que representam os servidores, eles estão há quase dois anos sem aumento e, além de os 3% não contemplarem as perdas que vêm tendo ao longo dos anos, a data-base (janeiro) e o retroativo referente ao período não estão sendo respeitados pelo Executivo.

Mesmo com o impasse, o líder do governo na Casa, vereador Eduardo Canuto (PSDB), ao lado dos demais parlamentares que compõem a bancada vão buscar, na próxima semana, se reunir com o prefeito Rui Palmeira, mais uma vez para novamente tratar do assunto.

A reunião aconteceu no mesmo dia em que o judiciário brasileiro aprovou, pra si mesmo, reajuste de 16% no próprio salário. E em Maceió, os servidores não conseguem mais de 3%.

Braços Cruzados

Os servidores públicos estão em greve Município de Maceió, desde esta terça-feira (17). A categoria decidiu pela Greve Geral por tempo indeterminado após não aceitar o aumento salarial proposto.

“A greve é a única forma de cobrar o nosso direito. Estamos desde 2014 com perdas inflacionárias e a proposta que o prefeito oferece, contempla apenas IPCA de 2017 e ainda não consagra a data-base”, declarou à época o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Maceió (Sindspref), Sidney Lopes.

“O prefeito Rui Palmeira alega que está acima do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, mas nós sabemos que Maceió ainda está bem abaixo, o que permitiria o reajuste que reivindicamos. Afinal, estamos com os salários defasados desde 2015”, argumentou ele, lembrando que mensalmente gasta-se mais de oito milhões de reais com terceirizados.