26 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Brasil

A idiotice parlamentar em alta no primeiro projeto do ‘doido federal’

‘Doido federal’ é titulo do jingle da campanha do Pastor Isidório, eleito pela Bahia

O deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) foi o responsável pelos 2 primeiros projetos de lei registrados na Câmara em 2019. As propostas visam declarar a Bíblia patrimônio cultural do Brasil e da Humanidade e proibir o uso do nome do livro em significado diferente do cânone cristão.

As propostas foram protocoladas na 2ª feira (4.fev.2019), dia da abertura do Legislativo.

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) era a 1ª da fila. Solidarizou-se com o tema e cedeu sua vez para Isidório.

BÍBLIA COMO PATRIMÔNIO CULTURAL

A 1ª proposta (íntegra) determina que a Bíblia Sagrada seja declarada Patrimônio Nacional, Cultural e Imaterial do Brasil e da Humanidade.

No texto, Isidório diz que a Bíblia tem “vasto poder terapêutico, curador, histórico, libertador, restaurador, revelador e principalmente profético, CUJA CAPACIDADE DE MILAGRES COMPROVADOS JÁ GANHOU A LEGITIMIDADE DA CIÊNCIA”. Segundo o deputado, o livro sagrado lhe tirou de uma vida de drogas e de planejamentos de assalto.

CRIMINALIZAÇÃO DE USO DO NOME

No 2º projeto (íntegra) propõe que o “uso indevido dos termos ‘Bíblia’ e/ou ‘Bíblia Sagrada’” seja criminalizado –enquadrado no “Artigo nº 171  (obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento) e no Artigo nº 208 (escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso)”

Na justificativa, o deputado cita uma suposta “bíblia gay” –versão do livro de onde seriam retiradas as referências condenatórias à homossexualidade. Aberto o precedente, “em pouco tempo surgirá também outros livros apelidados de bíblia para outros segmentos de pecadores, a exemplo: homicidas, adúlteros, prostitutos, mentirosos etc.”, diz o projeto.

SOBRE O DEPUTADO

Pastor e militar, Isidório foi o deputado federal mais votado da Bahia. Ele se identifica como 1 ex-gay, após passar por “mudança de vida”. Em sua campanha, o pastor usou o jingle de “doido federal”.

O deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) chamou a atenção durante a sessão de abertura do Legislativo. Congressista de 1º mandato, o militar permaneceu com uma bíblia levantada durante o discurso do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).