28 de junho de 2022Informação, independência e credibilidade
Cotidiano

Amazon passa a vender diretamente no Brasil de eletrônicos a decoração

Empresa vai partir para os eletrônicos como notebooks e celulares, produtos de beleza, brinquedos, jogos e objetos para casa e decoração

A partir de agora já é possível comprar produtos de 12 categorias vendidos e entregues pelo site da Amazon. Desde 2017 a loja online vendia produtos através de parceiros. Agora, além de servir como vitrine de outras lojas, a venda e entrega será feita pela própria empresa.

Quando chegou em em 2012, a Amazon começou a vender livros digitais no Brasil. Agora, vai partir para os eletrônicos como notebooks e celulares, produtos de beleza, brinquedos, jogos e objetos para casa e decoração.

“São três novidades: novo centro de distribuição, venda direta em 12 categorias e 4 categorias novas. É uma grande evolução de nosso atendimento ao consumidor. Livros e marketplace continuam super importantes, não conseguimos ter todos os itens que outras empresas têm, mas nossa venda no varejo é bem complementar. No mundo inteiro, 50% das vendas são de marketplace”. Daniel Mazini, diretor de varejo da Amazon.com.br.

E a logística da Amazon permitirá que algumas compras cheguem em casa no mesmo dia da compra, visto que o prazo curto é um dos compromissos da empresa. E com frete grátis para compras a partir de R$ 149, podendo comprar inclusive por boleto bancário. Além disso, a devolução de produtos é facilidade e o consumidor tem reembolso do valor pago no cartão.

Com isso, a empresa passa a oferecer mais de 20 milhões de produtos em 15 categorias. São mais de 200 mil livros e 120 mil produtos em estoque, vendidos e entregues pela Amazon. Por enquanto, ela ficará de fora das áreas de “roupas, calçados e acessórios” e “esportes, aventura e lazer”.

A concorrência precisa ficar de olho. Não existe competição com uma empresa como a Amazon, absurdamente rica. Em novembro do ano passado, a capitalização da gigante americana foi avaliada em mais de U$ 803 bilhões (ou mais de 3 trilhões de reais).

E seu método em todo o mundo é o mesmo: deixa os preços abaixo de todas as lojas, com um prejuízo temporário, acaba com as outras pequenas lojas (a Saraiva no Brasil, por exemplo), pra só então subir os preços. Enquanto existir concorrência, então, será um bom mercado para o consumidor nacional. Mais pra frente, será outra história.

Brasil

A Amazon tem um Centro de Distribuição, localizado em Cajamar, na Grande São Paulo, de 47 mil m², ou 10 campos de futebol. E ele é operado com tecnologia da própria Amazon e espelha outros armazéns da empresa.